O princípio atrás do eROT é simples de explicar: “Cada buraco, lombada ou curva, induz energia cinética no veículo. Os amortecedores atuais absorvem esta energia, que é imediatamente perdida ao ser transformada em calor”, afirma o Dr. Stefan Knirsch, membro do Conselho para Desenvolvimento Técnico da AUDI AG. “Com os novos amortecedores eletromecânicos, acoplados ao sistema elétrico de 48 volts, podemos utilizar esta energia. O sistema também nos presenteia, e aos nossos clientes, com possibilidades inteiramente novas de ajuste da suspensão.”
 
O sistema eROT responde de forma rápida e com um mínimo de inércia. Sendo uma suspensão ativamente controlada, adapta-se de forma ideal às irregularidades da superfície e ao estilo do condutor. Uma característica de amortecimento virtualmente livre para ser definida a partir de programas (software) aumenta o campo de aplicação funcional, eliminando a interdependência entre os movimentos de compressão e expansão que limitam o desenvolvimento dos amortecedores atuais. Com o eROT, a Audi pode configurar o amortecimento no ciclo de compressão para ser confortavelmente suave, sem comprometer a absorção de energia necessária durante o ciclo de estiramento. Outra vantagem do novo sistema é sua geometria. Os moto-geradores instalados horizontalmente no eixo traseiro substituem os amortecedores telescópicos verticais, o que permite um ganho adicional de espaço no porta-malas.
 
 
O sistema eROT permite ainda uma segunda função paralelamente ao livre ajuste das características de amortecimento, podendo converter energia cinética em elétrica tanto no ciclo de amortecimento como durante o estiramento. Para realizá-lo, um braço mecânico absorve o movimento do cubo das rodas. O braço transmite a força deste movimento por meio de uma série de engrenagens para o moto-gerador, que a converte em eletricidade. O resultado dessa recuperação é de 100 a 150 watts, em média, durante os testes em ruas e rodovias alemãs – entre 3 watts em rodovias recém-pavimentadas a até 613 watts em vias secundárias de piso irregular. Nas condições de uso diárias tradicionais, isso corresponde a uma diminuição na emissão de CO2 de até 3 g/km.
 
A nova tecnologia eROT baseia-se na utilização de sistemas elétricos de 48 volts. Nas configurações atuais, suas baterias de íons de lítio têm uma capacidade de 0,5 kW/h e um pico de saída de 13 kW. Um conversor DC (corrente contínua) conecta o subsistema de 48 volts ao sistema primário de 12 volts, que inclui um gerador com capacidade elevada e de alta eficiência.
 
Os resultados iniciais dos testes do eROT são promissores, portanto, sua utilização futura em veículos da Audi certamente é plausível. O pré-requisito para tanto é um sistema elétrico de 48 volts, que é o componente central da estratégia de eletrificação da Audi. Na próxima versão, planejada para 2017, o sistema elétrico de 48 volts servirá como sistema primário em um novo modelo da Audi e alimentará uma tração híbrida de alto desempenho, oferecendo um potencial de economia de combustível de 0,7 litros para cada 100 km rodados.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Novo DAF XF ganha cor laranja e amplia opção de customização do modelo

Aurora Orange completa a gama de 13 cores disponíveis para o extrapesado O novo DAF XF, la…