Os índices de acidentes, mortos e feridos são os menores registrados nos últimos oito anos durante o feriado de Carnaval nas rodovias federais. Da última sexta-feira (13) até a quarta-feira de cinzas (18), a PRF atendeu 31,7 acidentes para cada milhão de veículos em circulação, que resultaram em 1,37 mortos para cada grupo de um milhão de veículos e 20,4 feridos por milhão. Comparados com os do ano passado, esses índices apontam redução de 22% na quantidade de acidentes, 28% na taxa de mortos e 18% na taxa de feridos. Durante os cinco dias de feriado prolongado foram registrados 2.785 acidentes, 120 mortos e 1.786 feridos nas rodovias federais.
Muitos motoristas ainda insistiram na mistura álcool e direção. Esses tiveram a viagem interrompida nas fiscalizações da PRF. Dos mais de 85 mil testes do “bafômetro” realizados, 372 resultaram na prisão do condutor e 2.006 geraram a sanção administrativa, que é a multa de R$1.915, 40, o recolhimento da habilitação e a retenção do veículo. A cada quatro minutos e meio um motorista que dirigia alcoolizado nas BRs foi retirado de circulação.
 
O estado de Minas Gerais, com um histórico de altos índices de ocorrências nos feriados de Carnaval, registrou queda de 47% na taxa de mortos em 2015. Bahia e Paraná, estados que também considerados críticos no período das festas de Momo, tiveram os índices de mortes reduzidos, com quedas de 39% e 67% respectivamente.
Mesmo após o endurecimento da legislação que pune as ultrapassagens forçadas e feitas em locais proibidos, o tipo de acidente que mais provocou mortes nesse feriado foi a colisão frontal, causada, na maioria das vezes, pelas ultrapassagens mal realizadas.
Um dos acidentes em que mais mortes foram registradas aconteceu na BR-020, no Distrito Federal. Após invadir a pista contrária, um veículo com placas clonadas que fugia da fiscalização bateu de frente com outro automóvel causando a morte de seis pessoas. Em outro acidente, também envolvendo um carro roubado, três pessoas morreram depois de uma colisão frontal. A batida aconteceu na BR-373, no Paraná. Duas das vítimas eram mãe e filha.
No Espírito Santo, quatro pessoas da mesma família morreram depois de uma tentativa malsucedida de ultrapassagem na BR-101. O veículo que tentava ultrapassar, ao perceber que não teria tempo hábil, colidiu lateralmente em um caminhão que seguia em sentido contrário, que acabou perdendo o controle e batendo de frente com outro automóvel.

Operação Integrada Rodovida
A Operação Carnaval foi inserida na segunda etapa de um esforço de fiscalização mais abrangente, a Operação Integrada Rodovida. A integração entre Casa Civil, Ministérios da Justiça, Saúde, Cidades, Transportes e os órgãos estaduais e municipais é um grande esforço governamental para a redução da violência no trânsito. A primeira etapa da Operação teve início no dia 12 de dezembro de 2014 e foi até o dia 31 de janeiro de 2015. Após uma pausa, as ações simultâneas entre os órgãos em locais e horários pré-definidos foram retomadas no dia 06 de fevereiro e seguem até o próximo domingo (22).
A Operação Rodovida direciona as fiscalizações para aquelas condutas responsáveis por elevados índices de letalidade no trânsito, focando na embriaguez ao volante, no excesso de velocidade, nas ultrapassagens proibidas e na falta do capacete.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Moto Honda suspende temporariamente a produção

Durante esse período, os colaboradores das áreas administrativas e produtivas entram em fé…