Investimentos em fábricas, edifícios, energias renováveis e verde

A Bosch planeja atingir a neutralidade completa de carbono já em 2020. O objetivo é erradicar as emissões de carbono em suas 400 localidades ao redor do mundo, além de suas unidades de engenharia, manufatura e administração. Isso fará da Bosch a primeira empresa industrial a atingir esse ambicioso objetivo global em pouco mais de um ano. “Nós vemos a ação climática como nossa responsabilidade e acreditamos que este é o momento certo de agir”, afirma Volkmar Denner, presidente mundial do Grupo Bosch. Em uma tentativa de alcançar rapidamente a neutralidade nas emissões de carbono, a empresa comprará mais eletricidade verde visando corrigir as emissões de CO2 com compensações de carbono. Até 2030, a empresa aumentará gradualmente a quantidade de energia renovável que gera e compra, além de investir um bilhão de euros para impulsionar a eficiência energética de suas localidades.

Uma vez que a Bosch atingir a neutralidade climática, ela deixará de impactar na concentração de dióxido de carbono na atmosfera. Desse modo, a empresa estará contribuindo de forma positiva para o acordo climático de Paris ratificado em 2015, que exige que o aquecimento global seja mantido bem abaixo de dois graus Celsius acima dos níveis pré-industriais. “Todos devem contribuir para a ação climática”, afirma Denner.

Ação rápida para atingir a neutralidade de carbono

Empresas globais como a Bosch podem contribuir de forma significativa para a neutralidade climática global. De acordo com a Agência Internacional de Energia, a manufatura é responsável por cerca de 32% das emissões globais de dióxido de carbono. Tal como está, a Bosch emite cerca de 3.3 milhões de toneladas métricas de carbono por ano – a empresa já reduziu as emissões de carbono em quase 35% desde 2007. “Não estamos começando do zero. Temos consistentemente excedido nossas metas para a redução relativa das emissões de carbono. Agora chegou no momento de estabelecer metas absolutas. Que comece a contagem final”, diz Denner.

Foco em fontes sustentáveis e renováveis de energia

A partir de 2020, a Bosch compensará as emissões residuais de carbono comprando energia verde e participando de programas de compensação de carbono. A empresa está investindo em projetos ambientais certificados com padrões rigorosos, visando apoiar o desenvolvimento social e ecológico. As compensações de carbono serão reduzidas gradualmente até 2030 e a Bosch está intensificando os investimentos em energias renováveis para esse objetivo. A empresa também planeja ampliar os sistemas fotovoltaicos próprios que estão instalados nas unidades Nashik e Bidadi, na Índia, e a expectativa é aumentar em dez vezes na capacidade instalada de energia com esse movimento. A Bosch também assinará contratos exclusivos e de longo prazo de fornecimento com novos parques eólicas e solares em todo o mundo, que possam operar com lucratividade mesmo sem subsídios do governo.

Um bilhão de euros – e soluções conectadas – para uma maior eficiência energética

Aprimorar a eficiência energética é a chave para atingir a neutralidade de carbono, neste sentido, a Bosch investirá um bilhão de euros em suas unidades nos próximos 10 anos. “Nós queremos reduzir o consumo de energia e as emissões de dióxido de carbono em termos absolutos, não apenas em geração de valor”, afirma Denner. Até 2030, a empresa planeja economizar um adicional de energia em torno de 1,7 terawatts-hora por ano – isso é mais do que 20% do consumo atual de energia e equivale a quantidade de eletricidade consumida pelos lares na Colônia, na Alemanha.

A Bosch está ativamente buscando a adoção de práticas de gestão ambiental há anos. Apenas em 2018, a empresa executou cerca de 500 projetos de eficiência energética reduzindo o consumo de energia em cerca de 1.5%. A manufatura conectada também se tornou um fator-chave no quesito eficiência – a empresa implementou sua plataforma de energia, parte de seu portfólio para Indústria 4.0, em mais de 30 fábricas ao redor do mundo. O recurso é uma solução de software baseada em nuvem que consegue identificar e controlar o consumo de energia de cada máquina da unidade fabril.

Ação climática paga os dividendos sociais e econômicos

Até 2030, a empresa investirá um bilhão de euros em custos adicionais comprando eletricidade verde, participando de programas de compensação de carbono e adquirindo energia de fontes renováveis. Ao mesmo tempo, a Bosch investirá um bilhão de euros para impulsionar a eficiência energética internamente e isso, consequentemente, reduzirá os gastos da empresa com a neutralidade do carbono em cerca de dois bilhões de euros para um bilhão até 2030. “Se usarmos o foco necessário, poderemos atingir a neutralidade em emissões de carbono rapidamente. Nossos investimentos beneficiam não apenas a Bosch, mas a humanidade como um todo”, diz Denner.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Vendas financiadas de veículos crescem 20% em julho na comparação com 2018

Alta – registrada nas vendas a crédito de autos leves, motos e pesados – foi mais acentuad…