Se o seu carro é preto, prata, azul, o popular branco ou mesmo até o extravagante laranja tanto faz. O fato é que independentemente da cor do veículo, todos passam pelo mesmo processo. O coordenador de Treinamentos e Assistência Técnica da PPG, Franklin Jeronimo, explica como são feitas as cores da repintura automotiva. Confira a seguir os detalhes:
 
Como é que…?
O procedimento mais adequado para se chegar a qualquer cor é por meio da mistura de concentrados. A PPG possui sistemas tintométricos dedicados especialmente a isso. Trata-se de linhas de produtos compostas de concentrados dos mais diversos tipos e tonalidades, incluindo lisos, metálicos, perolizados, entre outros. Cada cor possui uma formulação específica, que demanda uma combinação desses pigmentos para se chegar ao resultado final.
 
É fácil! É fácil…?
Parece simples, mas, na verdade, a cor está intimamente ligada à tinta aplicada e a técnica executada. No processo automotivo original, é obtida por meio da aplicação das tintas líquidas, com equipamentos de pulverização, pistolas de pintura, braços robóticos, entre outros. Na repintura automotiva este processo é feito por meio de pistolas manuais, o que exige uma técnica apurada do pintor profissional. Este, por sua vez, deve ser capacitado para realizar a pintura correta do veículo nas empresas de funilaria e pintura.
 
Então é fácil? Sim ou não?
Não, definitivamente. A cor é o que primeiro chama a atenção das pessoas ao visualizar um veículo. Ao longo dos anos, as tonalidades foram modernizadas, de maneira a agradar ao público em todos os sentidos. Esta evolução trouxe consigo muitos efeitos visuais e cores transparentes, o que passou a exigir composições especificas que, muitas vezes, são alcançadas com ajuda de um primer, que é o produto aplicado antes da tinta, dando o fundo para a cor. A coloração do primer pode variar de maneira a ajudar na tonalidade dessa cor, tornando-a mais fiel ao que se pretende obter.
 
Mas por que a tonalidade é tão importante?
O processo de aplicação é importante para manter a originalidade do veículo e o aspecto de carro novo. Isso evita diferenças entre a cor das peças originais e das peças repintadas, por exemplo.
 
E as cores que brilham?
São conhecidas como tons perolizados. Utilizam na sua formação concentrados a base de pigmentos, constituídos de mica ou outros óxidos metálicos. Esse tipo de pigmento tem propriedades especiais de reflexão da luz, o que aumenta a variedade de acabamentos possíveis, já que refletem tons diferentes dependendo do ângulo de observação.
 
Seguindo uma tendência mundial, o mercado automotivo nacional começa a apresentar algumas opções de veículos bicolores, que já despertam o interesse dos consumidores brasileiros. Isso também vale para os tons perolizados.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Camaro completa 10 anos no Brasil

Ao todo 6,5 mil unidades do Chevrolet foram emplacadas no Brasil desde 2010, mais que o do…