Um bom nome precisa ser simples, significativo e diferenciado. Na Fiat, a arte de dar nomes aos carros é um processo dinâmico e multidisciplinar, com o envolvimento de diferentes áreas, como Brand, Design e Pesquisa. Esse colegiado é majoritariamente Fiat, mas não é nada restrito e o sistema é alimentado por inspirações externas.
Para cada novo modelo, um time é formado com a missão de nomeá-lo. Tudo começa com o briefing da área de Brand, com informações detalhadas sobre o carro, categoria de mercado, diferenciais, concorrentes, enfim, tudo o que define seu lançamento. Depois, vem a imersão e cada etapa está descrita no “Naming Concept Method”, que indica o caminho para a criação dos nomes dos carros e também suas versões.
 
A lista final tem cerca de 10 nomes, todos perfeitamente aplicáveis ao novo carro. Esse conjunto de possíveis nomes respeita os critérios adotados no “Naming Concept Method”, e são ainda justificados pelos motivos que o levaram à indicação. Os nomes que não foram usados podem passar a nomear versões do veículo ou até futuros carros. Toro e Mobi, por exemplo, já foram criados seguindo o “Naming Concept Method”.
O nome Argo remete ao mito grego de Jasão e aos Argonautas que viajavam a bordo da nau Argo, construída pelo semideus Argos, sob orientação da deusa Atena. Depois de cumprida sua missão, Argo foi consagrado a Poseidon e se transformou na Constelação de Argo.
Aguardado como uma nova estrela da Fiat, o hatch premium Argo, que tem luz própria e em breve será lançado, combina perfeitamente com essa história de grandes conquistas.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Toyota Etios vai deixar de ser vendido no Brasil

Planta de Sorocaba segue produzindo o modelo para mercados de exportação A Toyota do Brasi…