A primeira fábrica 100% Nissan no Brasil já recebeu investimentos de R$ 2,6 bilhões e emprega mais de 2.500 pessoas

O Complexo Industrial da Nissan em Resende completa hoje cinco anos de operação contribuindo para a evolução da marca japonesa no Brasil e na América Latina. A produção atingiu 106 mil unidades no Ano Fiscal 2018 – de 1º de abril de 2018 a 31 de março de 2019 -, um volume recorde de produção. Este resultado foi impulsionado principalmente pelo sucesso do crossover Nissan Kicks, que começou a ser produzido na cidade do sul fluminense do Rio de Janeiro em 2017, e se consolidou como um dos líderes do segmento de SUVs compactos no país.

Ao longo desses cinco anos, a fábrica de Resende, que é a primeira 100% Nissan no Brasil e na América Latina, inaugurada em abril de 2014, já produziu mais de 300 mil veículos. Ela começou suas atividades poucos dias depois de criada a organização regional Nissan América Latina, que engloba um total de 38 países, e também está completando cinco anos.

Os primeiros produtos fabricados em Resende foram o compacto Nissan March e o motor 1.6 16V flexfuel, produzidos sob o alto padrão japonês. A unidade seguiu acelerando ao longo dos anos, e atualmente é responsável também pela produção do Nissan Versa e do motor 1.0 12V flexfuel, além do Kicks.

O Complexo Industrial da Nissan em Resende já recebeu mais de R$ 2,6 bilhões de investimento e possui um ciclo completo de produção. As atividades na unidade vão desde a área de estamparia até as pistas de testes, passando pela chaparia, pintura, injeção de plásticos, montagem e inspeção de qualidade, além da fábrica de motores. A planta conta com mais de 2.500 funcionários, trabalhando em dois turnos.

“O Complexo Industrial da Nissan em Resende atingiu marcas importantes ao longo desses cinco anos. Foram mais de 300 mil veículos produzidos para o mercado interno e externo. O que demonstra que estamos consolidando nossa operação no Brasil e reforça o compromisso com o país. Em Resende, temos uma equipe de milhares de funcionários comprometidos em entregar para os nossos clientes produtos produzidos no país com a qualidade e inovação japonesa”, diz Marco Silva, presidente da Nissan do Brasil.

Além de atender às demandas do mercado brasileiro e as necessidades do consumidor local, o Complexo Industrial de Resende é um importante centro de exportação para a América Latina. Os modelos produzidos em Resende são enviados para oito diferentes mercados da região: Argentina, Bolívia, Chile, Costa Rica, Panamá, Peru, Paraguai e Uruguai.

A unidade do sul-fluminense utiliza a tecnologia a favor da sociedade, seguindo os pilares da Nissan Intelligent Mobility, a visão da marca para transformar a maneira na qual os veículos são conduzidos, impulsionados e integrados na sociedade. Ela conta com 97 robôs e 167 AGV’s (Automatic Guided Vehicles), veículos guiados automaticamente, responsáveis por otimizar o tempo de produção, facilitando o processo e o transporte dos carros na linha.

O uso dos AGV’s e dos robôs contribui para a redução da emissão de gases de efeito estufa, já que utilizam baterias elétricas recarregáveis. Mas o compromisso ambiental vai além. O projeto da fábrica prioriza a utilização de iluminação natural com amplas janelas e claraboias no teto, e com uso de lâmpadas de LED, que tem um aproveitamento de energia 80% maior em comparação à iluminação incandescente.

Há uma atenção especial com o sistema de tratamento de resíduos utilizados no processo produtivo, para reutilização da água e segregação de resíduos sólidos para correta destinação de descarte. O objetivo é reduzir constantemente as emissões de CO2 e a geração de compostos orgânicos voláteis (VOCs) provocados pela produção.

A pintura, por exemplo, segue o moderno e sustentável sistema 3 wet, onde a aplicação da base e do verniz é feita logo em seguida da aplicação do primer, tornando o processo mais curto e reduzindo o consumo de energia. Os robôs utilizam cartuchos para a pintura, o que reduz a perda de tinta e solventes, diminuindo a emissão de compostos orgânicos voláteis (COVs), o que deixa a operação mais sustentável. Para isso também é fundamental o uso de água como base na pintura.

O foco da Nissan em ter uma produção ambientalmente mais amigável segue para fora das paredes de sua unidade industrial brasileira. O entorno do complexo conta com um cinturão verde, que ocupa uma área de 12 hectares e formado por árvores de 20 espécies do bioma local.

Com a inauguração, em 2018, da fábrica de picapes da Nissan em Córdoba, na Argentina, a planta de Resende começou a trabalhar de maneira integrada e buscando sinergias de boas práticas com a unidade do país vizinho. Lá é produzida a picape Nissan Frontier e, durante a preparação do início de sua fabricação, vários funcionários de Resende foram enviados para Córdoba para contribuir com a equipe da Argentina. Juntas, elas representam os dois centros de produção da Nissan América Latina.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Jeep no Parco Del Valentino em 2019

O novo New Jeep Renegade Plug-In Hybrid fará a sua estreia internacional no Desfile dos Pr…