O pneu é um item básico dos veículos e faz parte do cotidiano de milhões de motoristas de carros de passeio, ônibus, caminhões e máquinas agrícolas. Para garantir a segurança e durabilidade deste item tão importante, alguns cuidados são fundamentais.
 
A Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (ANIP), entidade que representa a indústria de pneus e câmaras de ar instaladas no país desde 1960, tem um guia com dicas para fazer a manutenção correta e aumentar a vida útil dos pneus. De acordo com a entidade, os fabricantes também investem em tecnologia para atender a consumidores cada vez mais exigentes.
 
A primeira dica é respeitar o desgaste máximo de 1,6 mm de profundidade dos sulcos, limite de segurança em que o pneu passa a ser considerado “careca”. A ANIP alerta que o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) proíbe o tráfego de veículos neste estado, o que pode causar apreensão.
 
Pneus com sulcos abaixo do limite de segurança aumentam as chances de derrapagens laterais e requerem mais espaço para frenagem, mesmo em pista seca. Em pistas molhadas, também causam instabilidade, uma vez que não dão drenagem adequada à água.
 
Existem componentes mecânicos do veículo – amortecedores, molas, freios, rolamentos, eixos e rodas – que interferem na quilometragem rodada dos pneus. Sem a manutenção correta, eles podem ocasionar desgastes prematuros. Outra dica importante é o balanceamento das rodas para evitar perda de tração, estabilidade e desgastes acentuados.
 
Desvios mecânicos provocam o desgaste prematuro de pneus e o desalinhamento da direção, o que deixa o veículo instável e inseguro. O carro deve ser alinhado sempre que sofrer impactos na suspensão, na troca de pneus ou quando eles apresentarem desgastes irregulares, quando o veículo estiver puxando para um lado ou a cada 10 mil km.
 
Calibrar os pneus é outro cuidado para garantir a durabilidade. A baixa pressão acelera o desgaste, consome mais combustível, diminui a estabilidade nas curvas, deixa o veículo mais ‘pesado’ e interfere na capacidade de manejo. O excesso de pressão também é prejudicial porque causa maior desgaste no centro de rodagem e reduz a estabilidade nas curvas por causa da menor área de contato com o solo.
 
Para garantir mais eficiência e estabilidade, especialmente em curvas e freadas, o rodízio dos pneus deve ser feito para compensar a diferença de desgaste. As últimas dicas são evitar o contato do pneu com derivados do petróleo ou solventes, que atacam a borracha e não dirigir com freadas fortes ou mudanças bruscas de direção. 
 
Fonte: Agência CNT de Notícias
 
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Toyota oferece Yaris com motorização mais potente em versão XL Plus Tech

Versão seguirá com mesmo preço sugerido, reforçando o compromisso da Toyota de oferecer a …