Os criativos da Nissan moldam modelo 1:1 baseado na visão de um estudante sênior de design para futuro super autônomo

Em 1970, o termo “minivan” ainda não tinha sido criado, os utilitários esportivos (SUV) eram usados principalmente por topógrafos de áreas externas e um novo tipo de supercarro surgiu no Japão usando o emblema desconhecido “GT-R”. E Jaebum “JB” Choi, futuro designer de automóveis, ainda estava a décadas de nascer em Seul, capital da Coreia do Sul. Muita coisa pode mudar em 50 anos.

Choi, como muitos dos formandos do ArtCenter College of Design, em Pasadena, Califórnia, olhou para o futuro para sua tese final: não 50 anos, mas o ano de 2050. Ele selecionou um veículo com alma rebelde – o Nissan GT- R – para um estudo de projeto em uma futura era autônoma, quando as máquinas podem incorporar a emoção de um motorista por meio de uma conexão física.

Ele também estava começando um estágio na Nissan Design America (NDA), em La Jolla, Califórnia, em um momento em que as restrições do COVID-19 mudaram a forma como todos pensavam sobre o futuro. Logo sua tese de estudante ganhou asas e sua visão para o “Nissan GT-R (X) 2050” nasceu.

O projeto concluído tem pouco menos de 3 metros de comprimento e cerca de 60 centímetros de altura. O único ocupante, o motorista, descansa horizontalmente em uma posição “deitada” com os membros estendidos em forma de X. O motorista usa um traje futurístico justo e um capacete que lembra a proteção de motociclistas de superbikes.

Como uma “máquina vestível”, Choi prevê que conectar o cérebro humano ao do computador forneceria um desempenho melhor do que carros autônomos “comuns”. Ele diz que o veículo imita a forma do corpo humano para que possa proteger o cérebro com eficiência.

O projeto futurista de Choi ainda segue sugestões do atual Nissan GT-R – ou seja, suas superfícies arrojadas e dramáticas, volumes monolíticos da carroceria e recursos de design V-motion. Ele também tem lanternas traseiras icônicas do GT-R e detalhes listrados em vermelho do GT-R NISMO.
Outro elemento único é o capacete estilo GT-R e o traje “acomodante”. O capacete foi projetado para ter uma câmera frontal compartilhada com a visão de realidade virtual. Um transmissor ajudaria o cérebro humano a ativar sinais digitalizados.

Como um veículo que seria “dirigido”, provavelmente à noite, a capacidade de manobra seria uma parte crítica de seu desempenho elétrico de alta potência. Choi imagina as rodas e pneus inteiros em uma forma quase quadrada, permitindo que o veículo gire 360º.

O pneu mede 21 polegadas e o círculo interno da roda é de 15 polegadas. O padrão de raios das rodas foi projetado para ajudar a esfriar rapidamente, mesmo sob frenagem extrema.

O GT-R (X) 2050 também pode ter uma asa ativa que adicionaria downforce (efeito causado por um aerofólio que tende a manter o veículo mais firme no solo) quando estendida. As asas se dobram para que o motorista possa entrar e sair do carro.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias

Deixe uma resposta

Veja também

Porsche registra alta de 35% no mercado brasileiro em 2020

Com a marca de 2.487 entregas, a marca bateu seu recorde de vendas no mercado brasileiro E…