Responsável pelo fluxo de lubrificante que circula no interior do motor, auxiliando, assim, a refrigeração de peças fundamentais no veículo, como comando de válvulas, virabrequim, bronzinas, pistões, anéis e camisas, a bomba de óleo precisa de cuidados no momento da reparação. “O mecânico deve ficar atento ao substituir a bomba de óleo. A peça só deve ser retirada da embalagem na hora da instalação. Isto evita a entrada de sujeira ou materiais estranhos em seu interior”, adverte Jair Silva, gerente de qualidade e serviços da Nakata.
 
1º passo – Antes da instalação, Silva recomenda fazer uma limpeza completa em todo o sistema de lubrificação, desde o cárter, passando pelo pescador, respiro e, principalmente, a face do bloco e a cavidade onde é instalada a bomba. “É preciso ter atenção para não deixar restos de metal, cerdas da escova de aço, fiapos de estopa ou qualquer outro resíduo do processo de limpeza dentro do motor. Essas impurezas podem acabar emperrando a válvula de alívio ou engrenagens da bomba”, explica.
 
2º passo – Após a limpeza, coloca-se a bomba em um recipiente com óleo de motor limpo e gira-se o seu eixo. Dessa forma, a bomba vai sugar um pouco de óleo para formar o “selo hidráulico” que fará com que a captação e pressurização do sistema sejam o mais breve.
Pancadas são proibidas na hora da aplicação. “Não é permitido bater na área de apoio do motor. Isso pode gerar apoio irregular, causar vazamentos e até travamento das engrenagens na cavidade do bloco”, comenta Silva.
 
3º passo – É necessário também cuidado com os componentes de vedação. “O aplicador deve evitar o contato de mãos ou ferramentas no retentor e nunca passar cola, graxa ou qualquer outro produto entre a bomba e o motor”, afirma.
 
4º passo – Para evitar engripamento, o aperto da bomba deve ser feito de forma alternada, aplicando o mesmo torque em todos os parafusos.
 
5ª passo – Após a instalação, o reparador coloca o óleo lubrificante e filtros novos no motor. Em seguida, dá a partida sem as velas e com o filtro de óleo ligeiramente solto, assim que o lubrificante atingir o filtro dar o torque final e mais uma partida, verificando com um manômetro se houve indicação de pressão no sistema. Depois, basta instalar as velas, dar a partida e monitorar a pressão do sistema conforme norma ABNT NBR 13032.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

 

 
Responsável pelo fluxo de lubrificante que circula no interior do motor, auxiliando, assim, a refrigeração de peças fundamentais no veículo, como comando de válvulas, virabrequim, bronzinas, pistões, anéis e camisas, a bomba de óleo precisa de cuidados no momento da reparação. “O mecânico deve ficar atento ao substituir a bomba de óleo. A peça só deve ser retirada da embalagem na hora da instalação. Isto evita a entrada de sujeira ou materiais estranhos em seu interior”, adverte Jair Silva, gerente de qualidade e serviços da Nakata.
 
1º passo – Antes da instalação, Silva recomenda fazer uma limpeza completa em todo o sistema de lubrificação, desde o cárter, passando pelo pescador, respiro e, principalmente, a face do bloco e a cavidade onde é instalada a bomba. “É preciso ter atenção para não deixar restos de metal, cerdas da escova de aço, fiapos de estopa ou qualquer outro resíduo do processo de limpeza dentro do motor. Essas impurezas podem acabar emperrando a válvula de alívio ou engrenagens da bomba”, explica.
 
2º passo – Após a limpeza, coloca-se a bomba em um recipiente com óleo de motor limpo e gira-se o seu eixo. Dessa forma, a bomba vai sugar um pouco de óleo para formar o “selo hidráulico” que fará com que a captação e pressurização do sistema sejam o mais breve.
Pancadas são proibidas na hora da aplicação. “Não é permitido bater na área de apoio do motor. Isso pode gerar apoio irregular, causar vazamentos e até travamento das engrenagens na cavidade do bloco”, comenta Silva.
 
3º passo – É necessário também cuidado com os componentes de vedação. “O aplicador deve evitar o contato de mãos ou ferramentas no retentor e nunca passar cola, graxa ou qualquer outro produto entre a bomba e o motor”, afirma.
 
4º passo – Para evitar engripamento, o aperto da bomba deve ser feito de forma alternada, aplicando o mesmo torque em todos os parafusos.
 
5ª passo – Após a instalação, o reparador coloca o óleo lubrificante e filtros novos no motor. Em seguida, dá a partida sem as velas e com o filtro de óleo ligeiramente solto, assim que o lubrificante atingir o filtro dar o torque final e mais uma partida, verificando com um manômetro se houve indicação de pressão no sistema. Depois, basta instalar as velas, dar a partida e monitorar a pressão do sistema conforme norma ABNT NBR 13032.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

FCA premia fornecedores em 20 categorias e prevê que mercado vai acelerar recuperação

Cenário é de crescente necessidade de localização de produção de componentes e subcomponen…