Mesmo nos dias nublados e chuvosos, é possível preservar a cor e o brilho do seu veículo.

Todo começo de ano é marcado por chuvas que atingem grande parte do País e, ao contrário do que possa parecer, a época demanda atenção redobrada no cuidado dos veículos. Nas grandes cidades, a chuva ácida (como é conhecida, devido à presença de gases e partículas na atmosfera) pode causar sérios danos à pintura de um automóvel. Para ajudar a preservar o brilho e a cor original, o Supervisor de Desenvolvimento da PPG, Ricardo Vettorazzi, dá dicas de como manter tudo em ordem. Confira a seguir.

Lavagem

“Ao realizar a lavagem em casa, use um sabão de pH neutro. Não utilize gasolina, álcool ou outros solventes na superfície pintada”, alerta Vettorazzi. No caso de eventual queda de sabão ou qualquer outro material (em particular, fezes de aves), lembra o especialista, é importante lavar a área afetada imediatamente com água. Também é importante secar o carro para evitar o acúmulo de novas sujeiras e manchas na pintura.

Outro cuidado relevante diz respeito à utilização de métodos como a lavagem em máquinas de lava a jato automáticas, caso o veículo esteja recém-pintado. É recomendável recorrer ao método somente 30 dias após o serviço. A mesma lógica vale para a aplicação de cera, mas, nesse caso, deve-se esperar 90 dias.

Materiais utilizados

No caso da necessidade de reparos nos veículos, existem diferentes tecnologias no mercado, porém, de modo geral, os produtos base água e os de alto sólidos possuem maior durabilidade em comparação aos convencionais de mercado. Deve-se avaliar o custo-benefício em cada caso.

O especialista pondera que o conhecimento do profissional na preparação e na aplicação dos produtos é essencial. O ideal é que ele seja qualificado para fazer o melhor uso de um produto com desempenho superior. Boas práticas e conservação da limpeza do ambiente também contribuem para a prolongação da vida útil da pintura ou repintura.

Evitar maus hábitos

Ainda sobre a vida útil da pintura ou repintura, Vettorazzi afirma que uma boa maneira de preservá-la é não exagerar nos polimentos. Segundo ele, a frequência deles não ajuda tanto na conservação da pintura ou repintura quanto se imagina. E ainda garante: esse cuidado vale para veículos de todas as cores, inclusive brancos.

“Atualmente, as tecnologias de aplicação da pintura original são similares em muitos aspectos. Embora haja a variação da cor, muitas vezes é utilizado o mesmo tipo de

verniz como camada de proteção final da cor, o que nem sempre assegura sua durabilidade, se não forem tomados os cuidados de preservação”, explica o especialista.

Ele destaca que, caso ocorra algum problema na pintura do veículo, o proprietário deve procurar um profissional qualificado, que fará uma avaliação do reparo a ser feito. Muitas vezes, o reparo é um simples polimento; outras vezes, é necessário remover a tinta e o tratamento deve começar na chapa do carro.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias

Veja também

Emplacamentos de veículos crescem 12,73% em janeiro de 2019

O mercado de implementos rodoviários apresentou, em janeiro, crescimento de 83,65% sobre i…