A comercialização de automóveis e comerciais leves teve queda de 76,79% entre os meses de abril de 2019/2020, e acumula retração de 27,13% no quadrimestre deste ano

A Fenabrave- Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores apurou queda de 73,57% nos emplacamentos de veículos automotores no mês de abril, considerando todos os segmentos automotivos, em relação ao mesmo mês de 2019.

Foram emplacados 89.692 veículos (entre automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, implementos rodoviários e motocicletas) em abril/2020, contra 339.388 veículos em abril de 2019. Se comparado ao mês de março/2020, abril mostrou queda de 64,04% e, na relação do acumulado do quadrimestre (janeiro a abril), o ano de 2020 está 25,17% abaixo do mesmo período do ano passado. “Passamos de 1.244.086 unidades, emplacadas no acumulado de 2019, para 930.918 veículos, no mesmo período deste ano. Isso demonstra o resultado da chamada parada súbita de nossa economia, e da inoperância da maior parte das Concessionárias, em decorrência da quarentena, decretada pelos estados, em função do Coronavírus, que determinou o fechamento do comércio na maior parte de nosso País”, avalia Alarico Assumpção Júnior, Presidente da Fenabrave.

A comercialização de automóveis e comerciais leves teve queda de 76,79% entre os meses de abril de 2019/2020, passando de 221.292 unidades, comercializadas, em abril do ano passado, para 51.362 unidades, vendidas em abril de 2020.
No acumulado do quadrimestre, a retração foi de 27,13%, com 583.905 autos e leves vendidos entre janeiro a abril de 2020, contra 801.280 comercializados em igual período de 2019.

“Lamentavelmente, voltamos aos patamares de vendas, registrados há 14 anos, para automóveis e comerciais leves e, para o Setor em Geral, retornamos aos volumes de 1992, ou seja, voltamos aos resultados de 28 anos atrás”, aponta Assumpção Júnior.
No caso de caminhões, a retração no acumulado foi de apenas 2 anos, mas, chegou a 26 anos de retrocesso, se forem considerados, apenas, os dados de abril.

Para motos, houve retrocesso de 24 anos, em relação aos dados de abril/2020, e de 17 anos, no acumulado do quadrimestre.
Ainda sem poder fazer projeções sobre os resultados do Setor, para 2020, em função da falta de previsibilidade do retorno da economia à normalidade, o Presidente da FENABRAVE afirma que as Concessionárias de Veículos encontram entraves importantes, para a retomada, ainda que gradativa, dos volumes de antes da crise, iniciada em março deste ano. “Precisamos ter previsibilidade de retorno e liquidez, para sobreviver”, alerta Assumpção Júnior.

O primeiro entrave, citado por ele, é que, atualmente, há poucos estados onde as Concessionárias foram autorizadas, pelo Governo Estadual e Municipal, a voltar a operar 100%, ou seja, com vendas de veículos, além de peças e serviços de manutenção. “Em estados onde a quarentena foi flexibilizada, como em Goiás, por exemplo, a queda do Setor foi menor, tanto na comparação entre abril de 2020 e de 2019 (-47,8%), como no acumulado do ano (-6,7%)”, declarou o Presidente da Fenabrave.

Outro problema, enfrentado pelas Concessionárias, é a falta de liquidez, durante o período da crise. Nesse sentido, a entidade está se reunindo, semanalmente, com a equipe da SEPEC – Secretaria Especial da Produtividade, Emprego e Competitividade, que faz parte do Ministério da Economia, para que linhas de crédito possam chegar, rápida e efetivamente, às Concessionárias, a juros razoáveis, para que essas tenham condições de manter seus negócios até a recuperação do mercado o que, na avaliação da Fenabrave, levará algum tempo, mesmo após o controle da pandemia. “Sem vendas e sem liquidez, os concessionários, que respondem por 5,12% do PIB, e, consequentemente, os mais de 315 mil empregos gerados, diretamente, por eles, estarão em risco, pois, mais de 30% das empresas do setor talvez não tenham fôlego para chegar ao final deste mês”, alerta Assumpção Júnior.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

FCA promove 1° Semana de Diversidade e Inclusão na América Latina

Ação interna começou nesta segunda-feira (21) e contará com a presença de diversos convida…