A FENABRAVE – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores divulgou hoje (3), durante coletiva de imprensa, o desempenho dos emplacamentos no mês de junho e do acumulado do primeiro semestre de 2018.
De acordo com a entidade, foram vendidos 1.691.556 veículos no primeiro semestre

do ano, entre automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros -, o que representa crescimento de 12,37% na comparação com o mesmo período do ano passado.
Apenas em junho, as 287.721 unidades vendidas representaram alta de 3,85% ante igual mês de 2017, mas o resultado, se comparado ao mês de maio de 2018, teve queda de 2,45%. Para o Presidente da FENABRAVE, Alarico Assumpção Jr., os resultados não foram melhores em função da greve dos caminhoneiros, que impactou, negativamente, nas vendas do mês de junho e nos índices de confiança dos investidores e consumidores. “Os impactos ainda devem se refletir nos resultados dos próximos meses”, alertou Alarico Assumpção Júnior.

Automóveis e Comerciais Leves

Os segmentos de automóveis e comerciais leves, somados, encerraram o primeiro semestre com 1.127.217 unidades licenciadas, o que representa crescimento de 13,71% no comparativo com o mesmo acumulado de 2017.
Considerando apenas o resultado de junho, as 195.066 unidades emplacadas representam 3,18% de crescimento em relação a junho do ano passado, e aumento de 0,08% sobre maio deste ano. “As vendas diárias, em junho, tiveram média de 9.289 unidades, contra 9.281 unidades em maio”, comentou Assumpção Júnior. Vale ressaltar que maio e junho tiveram 21 dias úteis.

Assumpção Jr., comentou que o “resultado mais negativo da greve foi o aumento do sentimento de insegurança do consumidor em adquirir bens duráveis, como um veículo”, concluiu.

Outros Segmentos

O mercado de caminhões registrou alta de 50,71% no primeiro semestre de 2018 sobre mesmo período de 2017, somando 32.338 unidades licenciadas. Em junho, os 5.731 caminhões emplacados representaram crescimento de 37,14% sobre idêntico mês de 2017, e aumento de 0,24% em relação a maio de 2018.

Segundo Sérgio Zonta, Vice-Presidente da FENABRAVE para os Segmentos de Caminhões e Implementos Rodoviários, houve um expressivo aumento nos níveis de financiamento, principalmente pela oferta dos bancos privados e ligados às montadoras, o que tem contribuído, significativamente, para esta retomada. “Além disso, verificamos uma queda acentuada na inadimplência e, mesmo com as recentes revisões do PIB, as perspectivas para o segmento continuam positivas, até, porque, a base de comparação com anos anteriores ainda é muito baixa”, comentou.

O segmento de Implementos Rodoviários registrou alta de 79,80% no acumulado do semestre frente a igual período do ano passado, totalizando 20.019 unidades, contra 11.134 unidades de 2017. Em junho, os emplacamentos somaram 3.776 unidades, marcando alta de 71,64% em relação ao mesmo mês do ano passado e 4,66% acima do volume de maio de 2018. Na avaliação de Zonta, este desempenho está relacionado à necessidade de renovação dos equipamentos.

A greve de caminhoneiros provocou vários problemas ao segmento de motocicletas. “Não houve transporte de motos de Manaus, o que desabasteceu as concessionárias”, avaliou Carlos Porto, Vice-Presidente da FENABRAVE para o segmento de duas rodas. Apesar dos impactos negativos da greve, realizada em maio, os dados mostram que o mercado cresceu 6,93% no primeiro semestre de 2018, ante o mesmo período de 2017, somando 456.889 unidades.
Já em junho, como reflexo da greve, foram licenciadas 74.089 motos, registrando queda de 8,83% sobre o volume de maio deste ano, mas 3,22% acima das vendas registradas em junho de 2017.

Para o segmento de Tratores e Colheitadeiras, os dados da FENABRAVE mostram que foram vendidos, no atacado, de janeiro a maio, 14.249 unidades, retração de 12,34% ante igual intervalo do ano passado. Na mesma comparação, as vendas no varejo caíram apenas 0,6%. Contudo, segundo Marcelo Nogueira, Vice-Presidente da FENABRAVE para estes segmentos, as perspectivas são positivas para o segundo semestre. “A inadimplência é a menor do setor, em torno de 1,5%, e os estoques caíram 18,23% nas concessionárias nesse período. Temos de lembrar, ainda, que a greve dos caminhoneiros também prejudicou a entrega de máquinas aos produtores rurais”, explica Nogueira, que reforçou os pontos positivos do Plano Safra 2018/2019 que, também, devem contribuir para o crescimento das vendas de tratores e colheitadeiras nos próximos meses, como a queda na taxa de juros e a ampliação do volume disponível para os produtores rurais.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Di Grassi inicia no sábado (16) campanha pelo bicampeonato

Em temporada de muitos recordes e vitórias, Lucas pode ampliar marca extraordinária na Fór…