Na comparação com o mesmo mês de 2019, a retração foi de apenas 2,57%, o que indica que o mercado já opera em níveis pré-pandemia.

A FENABRAVE – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores divulgou, sexta-feira, 2 de outubro, os resultados dos emplacamentos de veículos no mês de setembro e no acumulado de 2020. Considerando automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros, as vendas ao varejo cresceram 9,55% sobre o mês de agosto. O volume total foi de 328.233 veículos, em setembro, ante 299.628, no mês anterior.

No acumulado do ano, de janeiro a setembro, foram emplacados 2.132.549 veículos, o que representa retração de 27,77%, na comparação com o mesmo período do ano passado (2.952.347 unidades). Com relação a setembro de 2019 (336.901 veículos), no entanto, a retração foi de apenas 2,57%, o que indica que o mercado já opera em níveis de venda pré-pandemia.

“A cada mês que passa, conseguimos observar que o mercado vem retomando os volumes e se readequando ao que se convencionou chamar de ‘novo normal’. Tanto que, apesar de ter o mesmo número de dias úteis de agosto (21), o volume de setembro foi mais elevado”, destaca Alarico Assumpção Júnior, Presidente da FENABRAVE.

Com o resultado, setembro/2020 ocupa a 10ª posição no ranking histórico (entre todos os meses de setembro, desde o início da série, em 1957) e o acumulado está na 15ª colocação, na somatória dos meses de janeiro a setembro.

Automóveis e comerciais leves

Em setembro, o segmento de automóveis e comerciais leves apresentou alta de 14,56%, na comparação com o mês de agosto, com 198.792 unidades emplacadas, contra 173.531, no mês anterior. Na comparação com o mesmo mês de 2019, a queda foi de 10,92%, quando foram emplacadas 223.151 unidades.
No acumulado de janeiro a setembro, sobre o mesmo período de 2019 (1.934.890), o resultado aponta retração de 32,88%, totalizando 1.298.630 unidades comercializadas.

Na avaliação de Assumpção Júnior, a alta sobre agosto comprova a expectativa de retomada dos volumes para o mercado de automóveis e comerciais leves. “O mês de setembro, como já era esperado, registrou o maior volume de emplacamentos de 2020. O mercado vem se recuperando, visivelmente, desde julho, impulsionado pela manutenção da taxa Selic em níveis baixos, pela manutenção da queda de inadimplência e a consequente melhora na aprovação de crédito, fazendo com que os clientes voltassem a efetivar a tomada de decisão para a aquisição de automóveis. O estímulo também está atrelado à própria pandemia, que tem feito as pessoas optarem pelo transporte individual, ao invés do coletivo”, explica o Presidente da FENABRAVE.

O mês de setembro/2020 ficou na 10ª colocação entre todos os meses históricos de setembro, para automóveis e comerciais leves, e o acumulado, de janeiro a setembro, ficou na 15ª colocação histórica.

Caminhões

Mesmo com a demanda aquecida, o segmento de caminhões continua enfrentando um gargalo na produção. Pela falta de produtos, os emplacamentos retraíram 8,29% (7.411 unidades) sobre agosto (8.081 unidades).

Comparado a setembro de 2019 (9.300 unidades), o resultado foi de queda de 20,31% e, no acumulado de janeiro a setembro, os resultados de 2020 (62.626 unidades) ficaram 16,21% abaixo de igual período do ano passado (74.744 unidades).

“O mercado de caminhões continua com uma forte demanda, em todos os seus subsegmentos, e não foi melhor pelos problemas gerados na produção, causados, ainda, pela falta de componentes e pela baixa capacidade de produção nos seus principais fornecedores. Com relação ao crédito, notamos uma boa oferta, com a manutenção de taxas abaixo de 1% e aprovação de 8 para cada 10 solicitações. Com isso, vem crescendo o número de pedidos para 2021”, comenta Assumpção Júnior.

No ranking histórico, o mês de setembro/2020 está na 14ª colocação e, entre os acumulados de janeiro a setembro, este ano está na 11ª posição histórica, para caminhões.

Ônibus

Em setembro, os emplacamentos de ônibus registraram retração de 13,62%, na comparação com agosto, totalizando 1.535 unidades, contra 1.777 do mês anterior. Sobre setembro de 2019 (2.323 unidades), esse resultado foi 33,92% menor e, se considerarmos o acumulado de janeiro a setembro/2020 (13.081), houve queda de 34,03% sobre igual período do ano passado (19.830 unidades).

O segmento de ônibus continua enfrentando problemas gerados pela pandemia, que fizeram com que as empresas de transporte, tanto as urbanas quanto as rodoviárias, retraíssem sua frota circulante. Até agora, grande parte do volume vendido se deve ao Programa Caminho da Escola, do Governo Federal.
No ranking histórico, o mês de setembro está na 16ª colocação entre todos os meses de setembro, e o acumulado deste ano ficou na 17ª posição, desde o início da série histórica.

Motocicletas

Os emplacamentos de motocicletas registraram alta de 3,77% em setembro, totalizando 99.623 unidades, contra 96.004, em agosto. Se comparados a setembro de 2019 (87.737), os emplacamentos cresceram 13,55%.

“O segmento de motocicletas está realmente aquecido, tanto pela procura de um transporte individual, como pela consolidação como veículo de trabalho. Por outro lado, a produção segue prejudicada pela falta de componentes, fazendo com que o prazo médio para entrega do veículo seja de, aproximadamente, 40 dias. A aprovação de crédito nos financiamentos é de 4,2 cadastros para cada 10 apresentados”, afirma Assumpção Júnior.

No acumulado de janeiro a setembro/2020, foram emplacadas 631.081 motocicletas, um volume 20,78% menor do que as 796.599 unidades vendidas, no mesmo período de 2019.

No ranking histórico, o mês de setembro/2020 está na 10ª colocação entre todos os meses de setembro, e o acumulado deste ano ficou na 17ª posição.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Veja quem são os vencedores do Prêmio Top Car TV 2020

O Prêmio Top Car TV de 2020 foi realizado de forma virtual, devido a pandemia, da Covid-19…