Home Notícias Exclusividade para taxistas no transporte individual divide opiniões na Câmara

Exclusividade para taxistas no transporte individual divide opiniões na Câmara

Comentários desativados em Exclusividade para taxistas no transporte individual divide opiniões na Câmara
A regulamentação do aplicativo Uber dividiu opiniões durante comissão geral, na última  quarta-feira (23), no Plenário da Câmara dos Deputados, sobre projeto que assegura aos taxistas a exclusividade no transporte individual de passageiros em todo o País (PL 5587/16). No Uber, carros particulares com motoristas são utilizados para o transporte pago de pessoas.
Representantes de taxistas argumentaram que o Uber é ilegal. Segundo o presidente da Associação de Assistência ao Motorista de Táxi do Brasil, André de Oliveira, a empresa entrou no mercado contrariando o Código de Trânsito Brasileiro (CTB – Lei 9.503/97) e não houve repressão por parte do poder público. Ele apontou milhares de famílias de taxistas que estão passando por estado de calamidade com a chegada do Uber ao País.
O diretor de Políticas Públicas do Uber no Brasil, Daniel Mangabeira, defendeu que o sistema de prestação de serviço de motorista seja regulamentado, pelo bem das comunidades que o utilizam. “O sistema fomenta o empreendedorismo, gera oportunidades de trabalho e de renda e dá mais eficiência à mobilidade urbana”, afirmou. Mangabeira defendeu que a legislação seja pouco intervencionista e salientou que Uber e táxi são diferentes na prática – e assim deveriam continuar na lei.
Divergência entre deputados
Durante a comissão geral, deputados mostraram opiniões divergentes. Givaldo Carimbão (PHS-AL), que presidiu a sessão, disse acreditar que, do jeito que está, sem regulamentar o Uber, não é justo. Para ele, hoje não há livre concorrência, já que Uber e táxi não são submetidos às mesmas regras. Ele fez apelo para que o Legislativo decida sobre o assunto antes que o Judiciário o faça.
Em discurso lido por Carimbão, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que é indispensável a adaptação da legislação após a chegada do Uber. Segundo ele, hoje há interpretações divergentes da lei, o que contribui para o acirramento de conflitos. Para Maia, a Lei de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/12) deve ser atualizada e estabelecer diretrizes gerais sobre o assunto, a despeito da competência dos municípios de regulamentar a matéria.

Grupo de trabalho
Autor do PL 5587/16, o deputado Carlos Zarattini (PT-SP), lembrou que foi instalado na terça-feira (22) um grupo de trabalho na Câmara para analisar a proposta e tentar construir uma versão mais consensual. Segundo ele, o prazo de funcionamento do grupo de trabalho é até 6 de dezembro, quando está prevista a votação, no Plenário, de requerimento de urgência para o PL 5587/16. Se aprovada a urgência, disse, um acordo no colégio de líderes prevê a votação no Plenário já no dia 7.
Fonte: Agência Câmara Notícias
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Stock Car: Justiça Desportiva anula punições de Goiânia e Velocitta

Foresti recupera vitória na Corrida 02 do traçado paulista. Pontuação do campeonato é alte…