A Extreme E, a série pioneira de corrida off-road elétrica, anunciou um novo conceito de engajamento de fãs chamado GridPlay, que permite que a equipe com mais votos tenha a oportunidade de escolher seu lugar na linha de partida para a corrida final.

A interação com os fãs é uma prioridade para Extreme E, então os telespectadores poderão selecionar seus competidores favoritos através de uma votação. A equipe com mais votos poderá escolher seu lugar no grid. E para aqueles que não chegarem à corrida final, podem “dar” seus votos para seu oponente favorito. O resto da grelha é decidido por pontos de corridas anteriores do mesmo fim de semana.

Alejandro Agag, fundador e CEO da Extreme E, disse: “Como categoria, procuramos maneiras inovadoras de envolver os fãs, fazendo-os se sentirem parte do Extreme E e ter voz nas corridas, especialmente porque não teremos espectadores no lugar, como parte de nossos esforços de sustentabilidade. Isso torna a forma como transmitimos nosso campeonato ainda mais importante e permite que as pessoas vejam a ação em uma variedade de canais globais e por meio de nossas plataformas digitais.”

Sara Price, piloto de Chip Ganassi Racing, acrescentou: “Estou muito animada com o GridPlay! Será uma forma muito inovadora para os fãs interagirem diretamente com o campeonato desde qualquer lugar do mundo. Nunca vi nada assim em uma corrida. Será uma ótima maneira para equipes e pilotos se conectarem com um público mais jovem. Acho que vai somar uma dinâmica muito divertida e emocionante à série e ao futuro do automobilismo. ”

Mattias Ekström, piloto da ABT, disse: “Já adoro o GridPlay. Ao contrário do World RX, onde a posição de largada é decidida por pura sorte, no Extreme E os fãs podem tomar essa decisão. Eles podem estar mais comprometidos com nosso esporte e conosco. Como pilotos, temos que ter certeza de que eles estão do nosso lado. Este é um dos muitos detalhes que tornam esta série tão diferente de tudo que vimos até agora. ”

O Extreme E será lançado no início de 2021, e as oito equipes confirmadas até agora irão competir no ODYSSEY 21, um SUV elétrico capaz de atingir 100km/h em apenas 4,5 segundos, em inclinações de até 130%. Cada corrida, que será conhecida como XPrix, incluirá duas voltas em uma distância de aproximadamente 16 quilômetros. As equipes terão dois pilotos, um homem e uma mulher, conforme estipulado no Extreme E pelo regulamento, para garantir a igualdade de gênero e igualdade de condições na competição.

As corridas serão realizadas em alguns dos locais mais danificados do nosso planeta para destacar uma variedade de questões, desde o derretimento da calota polar ártica na Groenlândia até a desertificação no Brasil. Cada evento trará consigo um legado de programação, que vem sendo elaborado pela Comissão Científica do Campeonato, um grupo de especialistas em questões ambientais e crise climática.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Mercedes-Benz do Brasil é premiada por iniciativas de diversidade

Seguindo estratégia global da Daimler, Companhia valoriza as diferenças e fortalece a cult…