\"\" 
 
Exatos 30 anos após o triunfo de Keke nas ruas do Principado, o nome Rosberg voltou ao topo do pódio do GP de Mônaco. Largando na pole, Nico fez uma ótima prova neste domingo (26) e não teve sua liderança ameaçada. Ao contrário do temor inicial pelo alto desgaste de pneus e pelo pobre ritmo de corrida da Mercedes, o germânico conseguiu controlar bem o consumo da borracha e pôde imprimir um ritmo bom o bastante para se manter na liderança do início ao fim.
 
A corrida, que começou morna, resultou em uma prova tumultuada por conta de dois acidentes, o primeiro deles com Felipe Massa. Na 30ª volta da disputa, o brasileiro bateu forte na Sainte-Dévote, em um lance idêntico ao acidente do dia anterior. Felipe não conseguiu fazer a curva, se chocando contra o muro da curva 1 e deslizando até colidir novamente, provocando a entrada do safety-car.
 
Felipe foi levado a um hospital em Monte Carlo, onde foi submetido a exames de imagem para checar possíveis lesões. Os resultados, entretanto, não indicaram nenhum ferimento, e Massa não terá problemas físicos para disputar o GP do Canadá. 
 
O segundo – e mais sério – acidente aconteceu entre Pastor Maldonado e Max Chilton. O piloto da Marussia tocou no rival da Williams, que bateu forte na Tabacaria. Apesar da força do impacto, o venezuelano não se feriu. O choque, no entanto, motivou a interrupção da corrida com bandeira vermelha. 
 
\"\"
 
Na relargada, Rosberg permaneceu firme na ponta, consolidando sua vitória. Mais atrás, Fernando Alonso teve de entregar a sexta posição para Sergio Pérez por ter cortado a chicane para evitar a ultrapassagem. O asturiano ainda foi ultrapassado por Adrian Sutil e Jenson Button, caindo para o oitavo, em um fim de semana cheio de problemas para a escuderia de Maranello. 
 
Antes do fim da prova, o safety-car foi novamente acionado, desta vez por conta de um acidente com Romain Grosjean e Daniel Ricciardo. A dupla bateu na saída do túnel, com o piloto da Lotus acertando a traseira do australiano e quase decolando. O incidente entre os dois será investigado pela direção de prova.
 
Na 67ª volta, o carro de segurança saiu e Rosberg seguiu firme na ponta, à frente de Vettel e Webber. Mais atrás, Kimi Räikkönen era pressionado por Pérez. Os dois se tocaram e o finlandês precisou ir aos boxes com um pneu furado. Com o carro danificado no acidente, o mexicano ficou mais lento, segurando o pelotão e abandonando a prova na sequência, não sem antes quase tirar Jenson Button da disputa.
 
Desta forma, Sutil assumiu o quinto posto, à frente de Button, Alonso, Jean-Éric Vergne, Paul di Resta e Nico Hülkenberg. Na ponta, Rosberg seguia firme, forte e tranquilo na liderança, para receber a bandeirada com 3s8 de vantagem para Vettel. Webber confirmou o terceiro posto, seguido por Hamilton e Sutil. Button ficou em sexto, com Alonso em sétimo, Vergne em oitavo e Di Resta em novo. Voando no final, Räikkönen fez seis ultrapassagens em sete voltas, e conseguiu neutralizar o efeito Pérez e completou a prova no décimo lugar.
 
Com o décimo lugar deste domingo, Räikkönen chegou a 23 corridas consecutivas na zona de pontuação, se aproximando do recorde de Michael Schumacher, que entre o GP da Hungria de 2001 e o GP da Malásia de 2003 pontuou em 24 etapas seguidas.
 
Fonte: www.grandepremio.com.br
Fotos: Getty Images
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Vendas da FCA crescem mais do que a indústria em 2018

Pelo terceiro ano consecutivo, a marca Jeep encerrou 2018 na liderança do mercado brasilei…