O modelo que representa o marco produtivo é o Voyage 1.6l com transmissão automática.

Há 40 anos produzindo veículos em Taubaté (SP), a Volkswagen do Brasil acaba de celebrar o marco de 7 milhões de unidades produzidas na fábrica. O modelo que representa essa conquista é o Voyage, com motor Total Flex 1.6l da família EA211, com até 120 cv e transmissão automática. Coincidentemente, o primeiro veículo completo produzido pela fábrica, em 1978, também foi um sedã: o Passat.

“A Volkswagen do Brasil já produziu mais de 23 milhões de veículos em sua história, dos quais 7 milhões foram produzidos em Taubaté. Isso demonstra a extrema importância desta unidade na estratégia da Nova VW que atualmente produz com exclusividade modelos como o Voyage, o up! e o Gol, nosso campeão de vendas, o qual é atualmente o 4º modelo mais vendido do mercado nacional”, destacou o Presidente e CEO da Volkswagen América Latina, Pablo Di Si.

Em novembro o Gol foi o 2º carro mais vendido no País, com 8.834 unidades. No acumulado do ano, o modelo já ultrapassou a marca dos 70 mil emplacamentos. Com grande vocação para vendas, o Gol é o mais produzido da história da indústria automobilística nacional, com mais de 8 milhões de unidades fabricadas, é o mais vendido (6,6 milhões de unidades) e o mais exportado (1,4 milhão de unidades para 66 países) da história do Brasil.

Dos 7 milhões de veículos produzidos em Taubaté nos últimos 40 anos, cerca de 5 milhões foram Gol; o segundo modelo mais produzido na unidade foi o Voyage, com mais de 1,5 milhão; na sequencia estão a Parati, o up! e a Saveiro.

Vale lembrar que o Voyage com câmbio automático, assim como o Gol, chegou ao mercado em julho como parte da linha 2019 dos modelos e integram a lista de 20 lançamentos previstos até 2020, dentro do conceito da Nova Volkswagen e da maior ofensiva de produtos da história da empresa no Brasil, como resultado de investimentos de R$ 7 bilhões no País até 2020.
Terceiro modelo Volkswagen mais exportado no País, com mais de 9 mil unidades embarcadas para 8 países em 2018, o Voyage já foi comercializado em 61 países. Além do motor 1.6l da família EA211, com até 120 cv (o mesmo utilizado no Polo MSI e no Virtus MSI), o Voyage com câmbio automático de seis marchas, conta com conversor de torque, que garante conforto e praticidade no trânsito, sem abrir mão da robustez e da eficiência na troca de marchas.

Trajetória

1973 – Início da construção.
1976 – Unidade faz peças estampadas, plásticas, injetadas e de tapeçaria para Fusca e Kombi produzidos em São Bernardo do Campo.
1978 – Primeiros cinco Passat produzidos no local são liberados para venda.
1979 – Produção do Passat em volume.
1980 – Produção do Gol Geração I, com motor 1.3. Veículo inaugura nova fase na indústria automotiva brasileira.
1982 – Primeiras 100 mil unidades do Gol produzidas.
1986 – Início da produção do Voyage.
1990 – Unidade comemora 1.000.000 de veículos produzidos.
1993 – Fábrica é a primeira montadora da América do Sul a receber o Certificado Internacional de Qualidade ISO 9002. Unidade recebe primeiros robôs, para produzir Gol Geração II.
2002 – Fábrica recebe certificado de qualidade ambiental ISO 14.001.
2008 – Novo Gol e Novo Voyage entram em produção. Fábrica recebe investimentos de R$ 600 milhões e instala nova Armação, com 308 robôs.
2009 – Unidade comemora 5.000.000 de veículos produzidos.
2011 – Iniciada a construção da Nova Pintura
2012 – Inauguração da Nova Pintura com início da pintura em KTL
2014 – Inauguração da linha de produção do Volkswagen up!
2015 – Primeiras 100 mil unidades do up! produzidas
2016 – Fábrica celebra 40 anos de operações e o marco de 6,5 milhões de veículos produzidos
2017 – Unidade comemora os marcos de 200 mil up! produzidos; 1,5 milhão de Voyage e 8 milhões de Gol fabricados pela VWB.
2018 – Fábrica inicia produção do Gol e Voyage com transmissão automática.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Público poderá acompanhar as 24 Horas de Le Mans ao vivo do cockpit dos Ford GTs

Os quatro Ford Gts da equipe Ford Chio Ganassi em Le Mans: retorno ao circuito onde a marc…