Como destaques de desempenho no período, as operações na América do Norte foram lucrativas, com EBIT de € 39 milhões.

A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) divulgou hoje (31) o balanço relativo ao segundo trimestre do ano, demonstrando que o grupo foi capaz de conter o impacto da pandemia da Covid-19 sobre os resultados. O trimestre foi encerrado com perda líquida de operações contínuas e perda líquida ajustada de € 1 bilhão e resultado antes de impostos e juros (EBIT) negativo em € 900 milhões.

Durante o segundo trimestre do ano, as vendas globais somaram 424 mil unidades, com queda de 63%, devido à suspensão de produção relacionadas à pandemia e à contração temporária da demanda.

“Nosso segundo trimestre mostrou que ações decisivas e contribuições extraordinárias de nossa força de trabalho permitiram à FCA conter o impacto da crise da Covid-19. Enquanto a empresa permanece vigilante quanto à saúde e a segurança dos funcionários, nossas fábricas estão em funcionamento, os concessionários estão vendendo em suas lojas e on-line, e temos flexibilidade e força financeira para avançar com nossos planos”, disse o CEO da FCA, Mike Manley.

Como destaques de desempenho no período, as operações na América do Norte foram lucrativas, com EBIT de € 39 milhões. Na América Latina, a FCA liderou as vendas no mercado regional de veículos pela primeira vez, finalizando o trimestre com uma participação líder de mercado de 15,9%. Principal mercado da região, o Brasil alavancou o desempenho do grupo, que liderou as vendas domésticas com 19,8% de participação, em meio à crescente demanda dos consumidores por picapes e SUVs do Grupo. A Nova Fiat Strada, lançada no final de junho, está mostrando forte demanda.

Outro destaque do trimestre foi o avanço da eletrificação dos modelos do grupo, com o início da produção na Europa dos veículos eletrificados PHEVs Jeep Renegade e Compass “4xe”. O Fiat 500 elétrico começará a ser fabricado no terceiro trimestre. Também a Maserati apresentou o novo Ghibli Hybrid.
Para fortalecer ainda mais a posição financeira e aumentar a flexibilidade do grupo, a FCA negociou uma linha de crédito de três anos de €6,3 bilhões com a Intesa Sanpaolo, o maior grupo bancário da Itália.

A crise da Covid-19 fortaleceu a lógica da fusão da FCA com o Groupe PSA. O trabalho das equipes de ambas as empresas para a conclusão da fusão continuou em ritmo acelerado e a expectativa é de concluir o objetivo de combinar como uma única empresa até o final do primeiro trimestre de 2021. As aprovações antitruste já foram obtidas em 12 das 22 jurisdições. A FCA e a PSA também deram outro grande passo no início deste mês com o anúncio de que a nova entidade formada pelas empresas combinadas será conhecida como Stellantis.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Nissan comemora 20 anos de uma história de sucesso no Brasil

Da importação de carros à fabricante nacional de automóveis, marca consolida sua presença …