Liderada pelo CIT SENAI, parceria envolve empresas da cadeia automotiva e visa proporcionar maior segurança veicular e economia de combustível

A necessidade de reduzir emissões de CO2 é uma realidade atual e demanda avanços quanto ao desempenho energético dos automóveis. Uma das alternativas para se alcançar esse propósito é o uso de ligas de menor peso e baixa densidade, como o alumínio. Essa alternativa pode contribuir para melhorar o desempenho, a segurança e o consumo energético dos carros. Com esse objetivo, a Fiat Chrysler Automóveis (FCA) se uniu ao Centro de Inovação e Tecnologia (CIT SENAI FIEMG), por meio da Unidade EMBRAPII Instituto SENAI de Inovação em Metalurgia e Ligas Especiais, para o desenvolvimento do projeto “Otimização de Ligas de Alta resistência de Alumínio para o Setor Automotivo”. O termo de cooperação técnica foi assinado hoje (20), na sede da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), em Belo Horizonte.

A iniciativa tem fomento da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII). Além da FCA, também participam a Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), Novelis, Aethra e 6PRO Virtual and Practical Process LTDA – ME. Parte do investimento é proveniente do Programa Rota 2030.

Na FCA, o projeto é fruto do mapeamento das demandas tecnológicas da empresa, neste caso da Engenharia Body, área que integra a diretoria do Desenvolvimento do Produto, responsável pelo projeto estrutural dos veículos. “A pesquisa irá fomentar inovações na cadeia automotiva ao impulsionar o desenvolvimento local de tecnologias, preparando o automóvel para os novos desafios, principalmente levando-se em consideração as metas apresentadas pelo Programa Rota 2030 nas áreas de eficiência energética e segurança veicular”, destacou o diretor de Segurança Veicular e Conformidade Regulatória da FCA para a América Latina, João Irineu Medeiros.

O gerente de Inovação e Tecnologia do CIT SENAI, André Zanatta, reforçou que este trabalho reúne várias empresas com um objetivo único. “É gratificante estar com essas indústrias pelos próximos 13 meses desenvolvendo um produto que irá agregar mais valor para o setor automotivo”, pontuou Zanatta.

Os profissionais envolvidos irão desenvolver duas ligas de alumínio para fabricação. Essas ligas propiciam um amplo leque de possibilidades de aplicações nos veículos. A intenção é chegar a um produto que atenda aos objetivos de eficiência energética e com potencial para exportação. “O desenvolvimento das ligas de alumínio vem para aumentar a competitividade da cadeia de mobilidade do nosso país. É uma iniciativa que temos orgulho em apoiar”, disse o especialista em Inovação Industrial na EMBRAPII, Marcos Simonetti.

Resultados esperados – Em relação à economia de combustível, para cada 10% de redução de peso nos automóveis, estima-se um aumento em torno de 5% em eficiência energética. Além disso, o alumínio é um material de alta absorção de energia, o que contribui para a segurança veicular.

Programa Rota 2030 – É parte da estratégia elaborada pelo governo federal para desenvolvimento do setor automotivo no país e tem como um dos objetivos aumentar a competitividade da indústria nacional, incentivando a realização de pesquisas e desenvolvimento localmente.

Fotos: Sebastião Jacinto Júnior

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Nissan comemora 20 anos de uma história de sucesso no Brasil

Da importação de carros à fabricante nacional de automóveis, marca consolida sua presença …