Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
O aumento das vendas de veículos impacta diretamente o mercado de crédito. Desde o início do ano até setembro, os bancos de montadoras e as instituições independentes liberaram R$ 72 bilhões para financiar a aquisição de automóveis, o que corresponde a uma alta de 20,8% em doze meses.  Desse total, R$ 70,7 bilhões foram destinados para os contratos de CDC e o restante R$ 1,3 bilhão para o leasing. Outra boa notícia é a queda na taxa de inadimplência. No nono mês deste ano, o índice de consumidores que deixaram de quitar seus contratos de CDC atingiu 3,9%, o menor nível do ano.
“Esse índice ficou 0,2 ponto percentual abaixo do registrado em agosto e 0,7 ponto percentual menor que no mesmo mês do ano passado. Isso é um bom indicador para os bancos também, pois indica um cenário mais seguro para conceder o crédito”, explica o presidente da ANEF (Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras), Luiz Montenegro.
O nível de inadimplentes vem caindo desde o início do ano. Ainda entre as pessoas físicas, a taxa na carteira de leasing é de 2,6%, queda de 0,2 ponto percentual em relação ao mês anterior e de 1,4 ponto percentual em doze meses. Já entre as pessoas jurídicas, o índice é de 3,1% nos contratos de financiamento, recuo de 0,3 ponto percentual na comparação com o mês anterior e de 2,0 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado. Na carteira de leasing, a taxa é de 2,4%, menos 0,4 ponto percentual em relação a agosto e queda de 1,6 ponto percentual em doze meses.
Modalidades de pagamento
 
Na hora de comprar um veículo, o financiamento é a modalidade de crédito mais procurada pelos brasileiros. De acordo com levantamento da ANEF, os contratos de CDC respondem por 48% das operações, seguido pelo consórcio com 5% e pelo leasing, com 1%.  “As compras à vista representam 46% dos negócios, o maior patamar dos últimos anos. No entanto, esse índice deverá cair e ficar na faixa de 38% a 40%. Com a queda da inflação, das taxas de juros e do índice de desemprego, o consumidor retoma sua confiança e investe na troca de um veículo zero quilômetro”, explica Montenegro. 
No segmento dos veículos comerciais, o Finame respondeu por 60% dos negócios. Na sequência estão os financiamentos (20%), compras à vista (11%), consórcio (6%) e leasing (3%).
No segmento das duas rodas, assim como no de automóveis, a preferência é o CDC com 38% dos contratos fechados. O consórcio vem em seguindo lugar, com 32%, seguido pelas compras à vista, com 30%. 

Negócios em setembro
No nono mês do ano, o total de recursos liberados pelo sistema financeiro nas operações de financiamento foi de R$ 8,3 bilhões, queda de 9,6% em relação a agosto e aumento de 26,9% na comparação com o mesmo período de 2016. Para as pessoas físicas foram destinados R$ 7,2 bilhões e os R$ 1,1 bilhão para as pessoas jurídicas.
As operações de leasing somaram R$ 132 milhões, volume 19% menor em relação ao mês anterior e 10,8% inferior ao mesmo mês do ano passado.  Desse total, R$ 104 milhões foram liberados para as pessoas jurídicas e os restantes R$ 28 milhões para as pessoas físicas.
Saldo das carteiras
Em setembro, o saldo das carteiras atingiu R$ 164,4 bilhões, volume 0,7% maior ao registrado em agosto, mas 0,5% menor em relação ao mesmo período de 2016. Desse total, as operações de CDC respondem por R$ 160,6 bilhões – mesmo patamar alcançado no ano passado e 0,7% maior na comparação com agosto. Os R$ 3,8 bilhões restantes correspondem ao leasing – mesmo montante alcançado no mês anterior e 19,1% menor em doze meses. 
O saldo de crédito para aquisição de veículos para pessoas físicas e jurídicas corresponde a 2,5% do PIB (Produto Interno Bruto). No mesmo período do ano passado, esse indicador era de 2,6%, o que corresponde a uma queda de 0,1 ponto percentual. O volume representa 5,4% do total do crédito do SFN (Sistema Financeiro Nacional) e 10,7% do total das operações de crédito – Recursos Livres.

Taxas de juros
As taxas praticadas pelos bancos ligados às montadoras continuam mais atraentes na comparação com as adotadas pelas instituições independentes. Em setembro, as entidades associadas à ANEF cobraram juros de 20% ao ano e 1,53% ao mês, enquanto os independentes trabalharam com índices de 23% e 1,74%, respectivamente. O prazo médio das concessões é de 42,2 meses. Já o prazo máximo oferecido pelos bancos é de 60 meses.
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Financiamentos de autos leves 0km avançam 15% em julho

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.Vendas a crédito de autos leves n…