Alunos do Ford Alfabetiza são exemplos de que nunca é tarde para aprender

Qual é o seu sonho? Viajar pelo mundo, comprar uma casa, encontrar o amor da sua vida? Para Marlúcia Ricardo, 36 anos, o maior sonho era aprender a ler e escrever. Ela faz parte da turma de 49 alunos diplomados pelo Programa Ford Alfabetiza, em Horizonte, no Ceará, e comemorou a conquista – veja o vídeo.

A formatura foi realizada na última sexta-feira (6 de dezembro), no auditório do Estádio Horácio Domingos de Sousa, o Domingão. O programa, promovido pela Ford Brasil em parceria com a ONG Alfasol e a Prefeitura de Horizonte, já alfabetizou 1.048 alunos desde o início em 2009.

Cerca de 60 estudantes são atendidos anualmente pelo projeto, que tem a duração de cerca de oito meses e é patrocinado pelo Ford Motor Company Fund – braço filantrópico da Ford –, com apoio da Secretaria de Educação do Município. A metodologia coloca os alunos jovens e adultos como sujeitos de sua história e propõe uma didática com referenciais amplos, que foca também no desenvolvimento pessoal e social do indivíduo.

A professora Aline Rodrigues, 30 anos, participa há três anos do projeto e considera a experiência enriquecedora tanto para sua vida profissional como pessoal. “Espero ter oportunidade de ensinar outras pessoas e transformar mais vidas, mostrando o mundo da leitura e da escrita”, diz ela, que também recebeu muito apoio da mãe para ingressar na faculdade de Pedagogia.

“Tinha dificuldade para ler a Bíblia. Hoje consigo fazer isso sem dificuldades”, conta a costureira aposentada Maria de Fátima, 68 anos, que não conseguiu estudar porque sempre morou na zona rural e tinha de trabalhar na lavoura para ajudar os pais a criar os irmãos menores. Aos 18 anos, ela se casou e teve sete filhos. E continuou sem tempo para estudar porque o trabalho sempre veio em primeiro lugar. Este ano, ela tomou a decisão de aprender a ler e escrever. Com pouco tempo de aula, conseguiu mandar uma mensagem de texto para o celular do filho. “Para mim, a aula é uma terapia. Renovou minha vida”, comenta a animada estudante.

Para Magnólia Borges, supervisora de Assuntos Corporativos da Ford, essa ação também contribui para melhorar a autoestima das pessoas. “É incrível como o semblante delas muda quando percebem que estão escrevendo e lendo frases. O mundo se amplia e elas passam a ter outra perspectiva de vida. Passam a ser mais independentes e se lançam em novos desafios”, diz.

O programa deste ano abrangeu três comunidades do município de Horizonte: Mangueiral, Novo Mundo e Jenipapeiro. “São locais em que residem pessoas com baixa escolaridade. Com o projeto, elas tiveram a possibilidade de retomar os estudos e se apropriar da leitura e da escrita. Temos acompanhado a grande satisfação dos alunos, com alta participação nas salas de aula e uma abertura excelente para o processo de aprendizagem”, conta Maristela Barbara, diretora da Alfasol.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Suzuki Jimny vem com novidades na linha 2022

Disponível em quatro versões, SUV traz atualizações estéticas e mantém o mesmo DNA 4×…