O Ford GT conquistou uma vitória espetacular nas 24 Horas de Daytona, a primeira prova da temporada 2017, disputada no último final de semana nos Estados Unidos. O mesmo trio de pilotos da equipe Ford Chip Ganassi que venceu as 24 Horas de Le Mans no ano passado – formado por Joey Hand, Dirk Müller e Sébastien Bourdais – recebeu a bandeirada final com o Ford GT número 66 na categoria GTLM.
Desde as 24 Horas de Le Mans do ano passado os quatro Ford GTs não participavam da mesma prova. E começaram muito bem, largando nas três primeiras posições do grid. O Ford GT 66 fez a pole e liderou as primeiras horas da corrida.
“Antes de sair de casa, falei para a minha família que estava com uma boa intuição para essa corrida. Realmente senti que podíamos ganhar”, diz Joey Hand, que viu junto com Sébastien Bourdais o companheiro Dirk Müller cruzar a linha final com o GT nº 66, exatamente como fizeram em Le Mans. “Pode parecer estranho juntar um alemão, um francês com várias vitórias na IndyCar e um cara da Califórnia, mas nós realmente trabalhamos bem juntos”.
A equipe poderia ter colocado mais carros no pódio, mas estratégias de box e precauções fizeram o Ford GT nº 69 (de Andy Priaulx, Harry Tincknell e Tony Kanaan) chegar em quinto e o GT nº 68 (de Olivier Pla, Stefan Mücke e Billy Johnson) em sétimo. O GT nº 67 ficou para trás depois de um acidente nas traiçoeiras horas da madrugada.
 
Decisão
“Esta é uma prova incrível”, diz Tincknell. “Você corre duro desde o começo mas é a última hora que decide e o desafio é manter o carro inteiro para esse momento. Mas, no geral, é uma megaexperiência. Os americanos sabem entreter, colocar os carros todos juntos para correr dessa maneira é incrível. Houve grandes pegas e eu quero muito voltar no ano que vem”.
Esta foi a sétima vitória da Chip Ganassi Racing e a 19ª da Ford nas 24 Horas de Daytona, a primeira delas com o GT. A Ford e a Chip Ganassi Racing conquistaram sua primeira vitória juntas na categoria de protótipos em 2015. “Em qualquer corrida de resistência, há muitas maneiras de vencer e perder”, diz Bourdais. “Honestamente, nós não cometemos erros.”
Hand e Bourdais agradeceram Dirk Müller pelo desempenho na duríssima final que garantiu o pódio. “Dirk conseguiu”, disse Bourdais. “É sempre assim em Daytona. Praticamente não importa o que acontece nas primeiras 23 horas e meia, o que realmente conta é a partir da última bandeira amarela.”
“Tenho de agradecer meus companheiros de time”, comemorou Müller. “Como Chip sempre diz em nossas reuniões, temos de entregar o carro na mesma condição que o recebemos. Sorte eu não precisar entregar o carro, porque há um pequeno arranhão no espelho direito da minha briga com a Ferrari (risos), mas que corrida. Estar aqui é uma grande honra, toda a equipe fez um trabalho fantástico”.
História
A história da Ford na prova em seu formato atual vem desde a primeira bandeira verde. Em 1966, o Ford GT 40 venceu a primeira corrida de 24 Horas em Daytona.
“Esta é uma grande vitória no nosso programa do GT”, disse Raj Nair, vice- presidente global de Desenvolvimento do Produto da Ford. “O crédito é de todos, desde o time da Ford à Ganassi, Roush Yates, Multimatic e Michelin. As condições foram muito difíceis em boa parte da corrida, mas o carro vencedor não teve problemas diante de competidores que estão entre os melhores do esporte. Temos muito que nos orgulhar dessa corrida e espero que seja o começo de uma grande temporada para nossos times”.
A vitória é um grande impulso para a Ford Chip Ganassi Racing nesta temporada, tanto no campeonato IMSA como no mundial de Endurance da FIA.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Tecnologia criada por mães engenheiras aumenta segurança nos veículos Nissan

Um dos destaques do Novo Nissan Versa, o Alerta de Objetos no Banco Traseiro (Rear Door Al…