A Ford está utilizando uma nova tecnologia de impressão 3D, a “Stratasys Infinite Build”, para a criação de peças automotivas de grande porte e acessórios especiais para personalização de veículos. Ela é a primeira fabricante de veículos a usar este modelo de impressora 3D, capaz de desenvolver componentes como “spoilers” (peça dianteira aerodinâmica) de absoluta perfeição para aplicação em seus futuros veículos de série e esportivos.
Por ser mais eficiente, acessível e ágil, o sistema pode revolucionar o desenvolvimento de protótipos de peças e componentes em baixa produção para teste nos veículos: tem capacidade de imprimir peças de praticamente qualquer forma ou comprimento. A impressora “Stratasys Infinite Build” está instalada no Centro de Pesquisa e Inovação da Ford em Dearborn, sede mundial da marca, nos Estados Unidos.
“Com esse inovador dispositivo, podemos produzir componentes e acessórios grandes e ganhar mais agilidade na criação dos projetos”, diz Ellen Lee, líder técnica de pesquisa de manufatura da Ford. “Estamos entusiasmados em ser os pioneiros a ter acesso à nova tecnologia da Stratasys, que dá grande precisão para as aplicações automotivas.”
 

Nova tendência
A impressão 3D está se tornando mais eficiente e acessível e as empresas começam a utilizá-la em todo tipo de aplicação, desde a área aeroespacial à educação e medicina. O mercado global dessa nova tendência deve chegar a US$ 9,6 bilhões até 2020, segundo os especialistas da Global Industry Analists.
Uma das vantagens da impressão 3D na área automotiva é a produção de peças mais leves para aumentar a economia de combustível. Um spoiler impresso em 3D, por exemplo, chega a pesar menos de metade da peça de metal.
A tecnologia também reduz os custos de produção de peças de baixo volume usadas em protótipos e carros de corrida. Além disso, a Ford poderia usar a impressão 3D para produzir acessórios e peças de acabamento personalizadas para os clientes.
 
Na impressão 3D, as especificações da peça são transferidas do programa de design do computador para o computador da impressora, que analisa o projeto. O sistema então imprime uma camada de material de cada vez e as agrupa gradualmente para formar o objeto 3D acabado.
Quando o sistema detecta que o suprimento de matéria-prima acabou, um braço robótico substitui o recipiente automaticamente por um novo. Isso permite que a impressora funcione ininterruptamente por horas, ou mesmo dias, sem a necessidade de supervisão.
A impressão 3D ainda não oferece a rapidez necessária para produção em alto volume, mas tem um custo mais eficiente para a fabricação de poucas unidades. Pelos métodos tradicionais, para desenvolver uma peça como um novo coletor de admissão, por exemplo, um engenheiro precisaria criar um modelo em computador e esperar meses até o ferramental do protótipo ser produzido. Com a impressão 3D, a Ford pode imprimir o mesmo componente em alguns dias e por um custo muito menor.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Suzuki Jimny vem com novidades na linha 2022

Disponível em quatro versões, SUV traz atualizações estéticas e mantém o mesmo DNA 4×…