Aceleração da digitalização reflete também no crescimento exponencial do uso do Wi-Fi do veículo, consolidando a tecnologia como a mais promissora tendência em conectividade

Há exatos cinco anos chegava ao mercado brasileiro o primeiro carro verdadeiramente conectado: o Chevrolet Cruze. Por ter um chip para a transmissão de dados, o veículo é capaz de informar uma central que se envolveu em um acidente grave para que providenciem resgate emergencial e permite ao motorista comandar remotamente funções do veículo por meio de um aplicativo, entre vários outros serviços. Atualmente quase toda linha oferece o sistema, chamado de OnStar, que soma 215 mil carros conectados ativos no país – 80% mais do que no mesmo período do ano passado, representando o maior crescimento em volume.

Em toda América do Sul, a frota de carros conectados Chevrolet se aproxima de 350 mil unidades, colocando a marca na liderança absoluta deste território, que vem se mostrando cada vez mais relevante para o dia a dia do consumidor.

Outro número que impressiona é o do consumo de dados do Wi-Fi nativo, considerado a mais recente tecnologia em conectividade veicular. Está disponível para novos modelos de Onix, Tracker, S10, Trailblazer, Camaro e do próprio Cruze. A utilização mensal da internet do carro cresceu 30 vezes em 2020 apenas no Brasil. Pelo carro ter uma antena amplificada e mais potente, o sinal do Wi-Fi nativo é bem mais estável que o do celular, o que permite melhor desempenho de aplicativos de navegação, mídias sociais e filmes via streming.

“As pessoas estão cada vez mais conectadas e isso exige uma maior quantidade de bites. O consumidor também está buscando a máxima qualidade de internet possível, inclusive no automóvel, onde a velocidade e o deslocamento afetam a estabilidade do sinal do celular”, explica Rosana Herbst, diretora de serviços conectados da GM América do Sul.

Para a executiva, a aceleração digital provocada pela pandemia é um dos principais catalisadores para o crescimento do número de carros conectados e seus serviços, que representam uma receita complementar para o fabricante e são vistos como um diferencial importante para o cliente. Atualmente a taxa média de adesão pelo OnStar é de 88%.

Conectividade nível 4

A Chevrolet lidera a corrida da conectividade no mercado brasileiro, não apenas pela sua extensa frota de veículos, mas também por popularizar sistemas como o MyLink, lançado em 2013, também com o Cruze.

Pode-se dizer que o simples pareamento do celular com a função viva voz do automóvel foi o primeiro passo da conectividade, a capacidade de projetar aplicativos dos smartphones, como o Whatsapp e o Waze na tela do veículo, o segundo. O terceiro nível é a possibilidade de comandar funções do veículo por meio do smartphone através da telemática, como o OnStar. Enquanto o carro com Wi-Fi inaugurou o quarto nível de conectividade veicular no país com inovações como a possibilidade de atualização remota de sistemas eletrônicos do veículo.

Recentemente a Chevrolet apresentou o primeiro carro com conceito sem fio do mercado, o Onix e o Onix Plus. O conceito de carro sem fio deve-se ao multimídia MyLink contar agora com projeção sem cabo e ao fato de o carregamento do celular poder ser feito por indução. A tecnologia está disponível para as configurações mais sofisticadas dos respectivos modelos. A linha 2021 da S10 e do Trailblazer também oferecem projeção sem fio compatível com os sistemas Android Auto e Apple Car Play.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Nissan Frontier bate recorde de participação de mercado no Brasil em fevereiro

Picape média teve 11,9% de participação de mercado no segmento A Nissan Frontier segue ace…