\"\"
 
O Complexo Industrial da General Motors do Brasil em São José dos Campos, no Vale do Paraíba (SP), completa 54 anos de atividades. Nesta unidade – inaugurada em 10 de março de 1959, pelo então presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira – saiu o primeiro motor Chevrolet fabricado no Brasil.
 
Nos últimos 54 anos foram mais de 5,5 milhões de unidades produzidas na unidade. Em São José, também está localizada a fábrica de CKD, única linha totalmente dedicada na indústria automobilística brasileira ao preparo, embalagem e despacho de veículos completamente desmontados para exportações.
 
O complexo industrial
 
O Complexo Industrial de São José dos Campos é um dos maiores do país, e emprega, atualmente, um efetivo de mais de 7.000 pessoas.
 
Nos seus 2,7 milhões de metros quadrados de área total e de 500 mil m2 de área construída, o Complexo abriga oito fábricas: uma de automóveis (linha do Chevrolet Classic); uma de comerciais leves (linha da picape S10 e do utilitário esportivo Trailblazer); duas fábricas de motores; uma de transmissões; uma estamparia; uma linha de injeção e pintura de peças plásticas; e uma linha voltada aos produtos de exportação (CKD – Completely Knocked Down).
 
O ritmo de produção da Powertrain é forte, com aproximadamente 145 transmissões e 148 motores, em média, por hora. No total são aproximadamente 5.000 unidades powertrain por dia ou 100.000 mil por mês (motores e transmissões). Por ano, a produção supera os 1,2 milhão de unidades powertrain.
 
Marcos Munhoz, vice-presidente da GM do Brasil, destaca que "o Complexo de São José dos Campos teve significativa importância para a região do Vale do Paraíba, tendo contribuído para seu crescimento econômico".
 
Sempre comprometida com a preservação do meio ambiente, o Complexo da GM conta com uma avançada estação de tratamento de efluentes e filtros de ar para evitar a poluição. 
 
54 anos de história no Vale do Paraíba 
 
A história da GM na região começou na década de 50 com a procura de um terreno junto à estrada de ferro Central do Brasil às margens da Rodovia Presidente Dutra e no eixo São Paulo—Rio de Janeiro, para a construção da fábrica que iria produzir motores para caminhões, uma demanda que já despontava no país naquela época.
 
Da compra do terreno, em 1953, à inauguração oficial da fábrica, em 1959, foram muitos os desafios. Nos anos de 1956 e 1957 a GMB teve seu primeiro projeto de nacionalização aprovado pelo governo através do GEIA — Grupo Executivo da Indústria Automobilística – formado para controlar a implementação da nossa indústria automobilística. A meta era a fabricação dos caminhões Chevrolet HD-6.503 (médios) e 3.104 (leves). Depois foi lançada a picape Chevrolet, que ficou conhecida como "Marta Rocha", por ter sua pintura nas cores azul e branco e a famosa composição "saia e blusa".
 
Foi atendendo a esse projeto de nacionalização que a GMB instalou-se em São José dos Campos, onde montou uma fundição de peças para a produção dos motores — um processo pioneiro naquela época. O primeiro motor produzido foi o modelo de 261 polegadas cúbicas (4,2 litros) e seis cilindros em linha. A capacidade da fábrica era de 25 mil motores por ano.
 
Atualmente, a GM tem, além do Complexo de São José dos Campos, os Complexos de São Caetano do Sul (SP) e de Gravataí (RS), unidades onde produz veículos.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Vendas da FCA crescem mais do que a indústria em 2018

Pelo terceiro ano consecutivo, a marca Jeep encerrou 2018 na liderança do mercado brasilei…