O Grupo Renault resiste, com volumes em queda de 6,7% em um mercado mundial em queda de 7,1%, mantendo uma participação de mercado de 4,4%, com 1.938.579 veículos vendidos.

“Conforme previsto e, devido à falta de novidades em termos de produto, o Grupo Renault manteve sua participação de mercado no primeiro semestre, em um mercado em forte queda. Isso se traduz por volumes em queda de 6,7%. No segundo semestre, vamos nos concentrar em fazer um lançamento bem-sucedido do Novo Clio e Novo ZOE na Europa, do Arkana na Rússia, Triber na Índia e Renault City K-ZE na China”, declarou Olivier Murguet, membro do Comitê Executivo, Diretor Comercial e de Regiões do Grupo Renault.

No primeiro semestre, o Grupo Renault registrou 1.938.579 veículos vendidos, com queda de 6,7%, em um mercado em queda de 7,1%.

As vendas se mantiveram estáveis na Europa, em um mercado em queda de 2,5%. Nos regiões fora da Europa, as vendas do Grupo seguiram a tendência mundial de forte queda.

No segmento de veículos elétricos, os volumes de vendas da marca Renault no mundo registraram aumento de 42,9% (mais de 30.600 veículos). Na Europa, os volumes do ZOE aumentaram 44,4% (25.041 veículos) e os do Kangoo Z.E. aumentaram 30,7% (4.653 veículos). No segundo semestre, o Grupo vai lançar o Renault City K-ZE na China e acelerar sua ofensiva em veículos elétricos investindo na JMEV, a 5ª maior montadora de veículos elétricos no país.

Na Europa, os emplacamentos estão estáveis, em um mercado em queda de 2,5%. O segmento B do Grupo confirma seu sucesso (Clio, Captur, Sandero), bem como o Novo Duster. O Clio continua sendo o segundo veículo mais vendido na Europa e o Captur é o primeiro crossover de sua categoria. As vendas de veículos utilitários também contribuíram, com um volume em alta de 7,5%, em um mercado europeu de veículos utilitários em alta de 3,7%.

A marca Dacia teve um novo recorde de vendas na Europa, com 311.024 veículos vendidos (+10,6%), assim como uma participação de mercado recorde de 3,3% (+0,4 ponto). Esta alta está ligada às performances do Novo Duster e do Sandero.

Fora da Europa, o Grupo sofreu principalmente a queda do mercado na Turquia: (-44,8%) e na Argentina (-50,2%), assim como a interrupção das vendas no Irã a partir de agosto de 2018 (o Grupo Renault havia vendido 77.698 veículos no 1º semestre de 2018).

Na Rússia, segundo país do Grupo em volume de vendas, o Grupo Renault é líder, com uma participação de mercado de 28,8%, em alta de 0,45 ponto. As vendas estão em queda de 0,9%, em um mercado em queda de 2,4%.

A LADA registrou uma alta de 2,5%, com 174.186 veículos vendidos e uma participação de mercado de 21,0% (+1,0 ponto), graças ao sucesso da renovação de sua gama. Os modelos LADA Granta e LADA Vesta são os 2 veículos mais vendidos na Rússia.

Os volumes da marca Renault estão em queda de 9,1%, para 64.431 veículos vendidos, às vésperas da comercialização do modelo Arkana no segundo semestre.

No Brasil, o Grupo teve uma performance acima da recuperação do mercado, que avançou 10,5%. As vendas aumentaram 20,2%, com 112.821 veículos e a participação de mercado chegou a 9,1% (+0,7 ponto), graças aos bons resultados do Kwid, que teve mais de 40.500 unidades vendidas, em alta de 36,5%, tornando-se o 5º veículo mais vendido (9º no 1º semestre de 2018).

Na África, o Grupo reforça sua liderança, com 19,3% de participação de mercado e quase 110.000 veículos vendidos, principalmente graças à sua performance no Marrocos, África do Sul e Egito.

A participação de mercado no Marrocos se mantém a um nível histórico, de 43,3%. A Dacia mantém sua liderança com o sucesso do Logan e do Dokker. A marca Renault ficou na segundo posição com o Clio, o veículo mais vendido no Marrocos.

Na África do Sul, a marca Renault registrou vendas em alta de 3,6%, com quase 11.900 unidades, totalizando 4,9% de participação de mercado.

Na Índia, às vésperas da comercialização do Triber no 2º semestre, a participação de mercado do grupo ficou estável em 2,1% no segundo trimestre.

O Triber é um veículo compacto com uma funcionalidade incomparável, podendo transportar até 7 pessoas. Ele chega a um segmento que totalizará quase 50% do mercado indiano até 2022. Assim, o Grupo Renault complementa a gama de produtos local, formada atualmente pelos modelos Kwid e Duster.

Na China, os volumes do Grupo estão em queda de 23,7% em um mercado em queda de 12,7%, às vésperas do lançamento do novo compacto elétrico Renault City K-ZE, no 2º semestre.

PERSPECTIVAS DOS MERCADOS PARA O GRUPO RENAULT EM 2019

Em 2019, o mercado mundial deve ter uma queda em comparação com 2018.

O mercado europeu deve se manter estável (com exceção de um cenário “hard Brexit”), o mercado russo deve sofrer uma queda de 2 a 3% e o mercado brasileiro deve avançar em torno de 8%.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

FCA recebe prêmio de inovação e transformação digital

Iniciativas focadas em criar valor para o cliente e ampliar eficiência operacional são os …