Home Notícias Grupo Renault, Veolia e Solvay vão reciclar metais das baterias elétricas em fim de vida

Grupo Renault, Veolia e Solvay vão reciclar metais das baterias elétricas em fim de vida

0

As três parceiras já estão ativamente envolvidas em uma fase experimental com a implantação de uma fábrica piloto na França

O Grupo Renault, um dos grandes players da indústria automotiva, juntamente com a Veolia, líder mundial na gestão otimizada de recursos, e a Solvay, líder em química avançada e inovação cientifica, têm o prazer de anunciar sua parceria para a implantação de um ecossistema circular de metais provenientes de baterias elétricas na Europa.

O consórcio criado em setembro de 2020 pela Veolia e a Solvay passa a ser reforçado pela posição pioneira e a experiência do Grupo Renault em economia circular e no ciclo de vida das baterias de veículos elétricos. Graças à expertise da Solvay na extração química dos metais das baterias e os 10 anos de know-how da Veolia no desmantelamento e reciclagem das baterias de íons de lítio via processos hidrometalúrgicos, a parceria visa a fazer desta complementaridade uma vantagem estratégica e um diferencial de competitividade.

Tendo em vista que o número de veículos elétricos em circulação em todo o mundo deve passar de 10 milhões em 2020 para mais de 100 milhões até 2030*, assegurar um acesso estável e responsável aos metais das baterias constitui um desafio estratégico.

Neste contexto, as três parceiras têm a ambição de constituir uma fonte de abastecimento segura e sustentável de metais estratégicos para baterias, como cobalto, níquel e lítio. Para atingir este objetivo, as empresas pretendem se apoiar em sua expertise respectiva em cada etapa da cadeia de valor – desde a coleta das baterias em fim de vida e desmantelamento, até a extração e purificação dos metais – melhorando os processos mecânicos e hidrometalúrgicos existentes para a reciclagem das baterias. Graças à combinação das tecnologias de ponta desenvolvidas pela Solvay e a Veolia, os metais estratégicos serão extraídos e purificados em materiais de alta pureza, prontos para serem reutilizados na fabricação de novas baterias. Recuperados anteriormente sob uma forma destinada apenas a aplicações metalúrgicas, este novo processo em ciclo fechado contribuirá para a redução da pegada ambiental das futuras baterias dos veículos elétricos.

As três parceiras já estão ativamente envolvidas em uma fase experimental com a implantação de uma fábrica piloto na França operando em escala pré-industrial, capaz de extrair e purificar os metais contidos nas baterias de veículos elétricos em fim de vida.

“O Grupo Renault tem uma estratégia holística para o ciclo de vida das baterias: desde a reparação, para prolongar sua vida útil automotiva, passando pelo desenvolvimento de aplicações de segunda vida para armazenagem de energia, até a implantação de um sistema de coleta e reciclagem de baterias. Hoje, temos orgulho de fortalecer nosso compromisso ambiental, por meio desta parceria com a Veolia e a Solvay. Em um contexto de mobilidade elétrica em crescimento, nosso objetivo é implementar soluções de reciclagem inovadoras e de baixo carbono, para abrir caminho para um abastecimento sustentável de materiais estratégicos para as baterias. Juntos, vamos tirar vantagem de mossa presença em todo o ecossistema elétrico na Europa, para assumir uma forte posição no mercado estratégico de materiais de baterias e gerar valor além do nosso core business”, explica Luca de Meo, CEO da Renault.

“Tendo em vista a dimensão dos desafios ambientais que o mundo está enfrentando, a transformação ecológica é uma necessidade urgente. Com o Grupo Renault, que se une à Veolia e à Solvay, estamos coletivamente dando um passo além em soluções de ciclo fechado para preservar os recursos naturais. Isso demonstra como, trabalhando juntas, as empresas podem imaginar e implementar novas soluções que melhoram nosso meio ambiente e renovam nossas economias”, comenta Antoine Frérot, CEO da Veolia.

“Este consórcio é um belo exemplo de parceria na cadeia de valor, que permite criar uma economia circular para os metais das baterias. Estamos muito contentes com a inclusão do Grupo Renault no consórcio, como parceiro estratégico no ciclo fechado circular. Sua contribuição com matérias-primas para reciclagem permite reinjetar metais purificados no ciclo da bateria. Este projeto ilustra a forma como a Solvay alia o discurso à atitude, por meio de seu plano de desenvolvimento sustentável Solvay One Planet, que visa pelo menos duplicar nossa receita gerada por meio da economia circular, até 2030”, acrescenta Ilham Kadri, CEO do Grupo Solvay.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias

Deixe uma resposta

Veja também

Novo CTB “simplifica por um lado e endurece por outro”, diz ministro

Validade da CNH passa de cinco para dez anos O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes …