*Dirceu Rodrigues Alves Júnior 
Diferenças comportamentais do universo masculino e feminino fizeram com que pesquisadores da University of Virginia atrelassem o fato a condições genéticas e a ação dos estrogênios. O hemisfério direito do cérebro é emotivo e o esquerdo, analítico. Na mulher, parece haver uma conexão maior entre estes hemisférios. Daí, talvez, atitudes mais seguras, mais bem direcionadas, melhor analisadas.
O cérebro masculino é cerca de 10% maior que o feminino, o que não significa melhor desempenho intelectual, já que os testes de QI (Coeficiente de Inteligência) são semelhantes. Os homens são mais rápidos no raciocínio matemático e espacial, enquanto as mulheres são melhores com as palavras, com as relações humanas. Não temos dúvida que isso é uma verdade.  Julgamos o homem mais genérico, pouco analítico e pouco emotivo nas atitudes e execução de tarefas. Já as mulheres, mais analíticas, detalhistas e emotivas, executando tarefas com prévio planejamento e segurança.  Na direção veicular, vemos esse comportamento presente. O homem ativo, austero, exigente, dominador, agressivo, imediatista, irritado; enquanto a mulher, passiva, cautelosa, paciente, tranquila.
A agilidade, a pressa, muitas vezes a compulsão para velocidade são fatores presentes no universo masculino. Daí podermos entender que o homem, na direção veicular, tem todos os componentes para a sinistralidade. Observe que os acidentes são de médio a graves, quase sempre com vítimas. Já com as mulheres, temos mais frequentemente os acidentes leves, sem vítimas, com pequenos danos materiais.
Quem seria o melhor motorista, o homem ou a mulher? Não tenho dúvida em afirmar que a mulher desenvolve essa atividade com melhor habilidade e qualidade que o homem. Afirmo isso tendo em vista a grande sintonia entre o hemisfério cerebral que é analítico e o que é emotivo. Daí, existir contenções para execução de tarefa com risco. Ela é portadora de todo o perfil ideal para execução dessa tarefa. Basta vermos os dados estatísticos de acidentes de trânsito que vamos concluir que a mulher é dotada de características próprias para enfrentar a direção veicular e o trânsito.
É ela que mais respeita a sinalização, raramente comete ato inseguro e se sai muito bem diante de condição insegura. Já o homem, de raciocínio rápido e com boa orientação espacial, é capaz de exageros com relação à agilidade, o respeito à sinalização, torna-se mais competitivo, detém uma direção ofensiva e chega ao acidente de média e grande proporção com muito mais facilidade.
A mulher, pelo que apresentamos, é realmente mais lenta com relação à orientação espacial, mas isso não desvaloriza a seguridade que ela porta e, por isso, a caracterizo como uma excelente operadora de máquina sobre rodas.

*Dirceu Rodrigues Alves Júnior é médico especialista em Medicina de Tráfego e Diretor de Comunicação da Abramet – Associação Brasileira de Medicina de Tráfego
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Ônibus VW moderniza frota argentina de transporte público

Como motorização MAN D08, esses dois Volksbus têm sistema EGR de tratamento de emissões, d…