No acumulado dos primeiros sete meses, o crescimento é de 12,1% em relação a 2018.

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) apresentou o balanço da indústria automobilística em julho e no acumulado dos sete primeiros meses do ano.

Produção – Para o setor de veículos, o resultado apontou para uma alta de 14,2%, na comparação com junho, e de 8,4% em relação a julho de 2018. Foi o melhor mês de julho desde 2013 para a produção de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. No acumulado do ano, a alta é de 3,6% sobre o mesmo período do ano passado, apesar da queda de 38,4% nas exportações provocada pela crise da Argentina, nosso principal parceiro comercial.

Licenciamento – O mercado interno também mantém alta superior à previsão de 11,4% feita no início do ano pela Anfavea. No acumulado dos primeiros sete meses, o crescimento é de 12,1% em relação a 2018. Foi o melhor julho em vendas desde 2014, com alta de 12% sobre o mesmo mês do ano passado, e de 9,1% sobre junho deste ano, muito em função dos quatro dias úteis a mais. “Estamos discretamente otimistas com este início do segundo semestre, período que tradicionalmente tem resultados melhores que a primeira metade do ano. Todas as sinalizações macroeconômicas indicam um cenário mais positivo, sem falar de todas as reformas estruturantes a caminho e medidas de curto prazo para injetar recursos na economia brasileira”, afirmou o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes.

Estudo mostra alta concorrência no mercado brasileiro e baixa competitividade no mercado internacional

Além do balanço mensal, a Anfavea compartilhou com a imprensa uma apresentação que mostra as contradições de um mercado doméstico de grande concorrência, mas com baixa competitividade internacional. Por um lado, temos hoje mais de 60 marcas disputando o mercado nacional de veículos e máquinas agrícolas e rodoviárias, com uma oferta de quase 2.200 modelos e versões de todos os tipos, a grande maioria (87,9%) produzida localmente. Isso sem falar de dezenas de marcas que passaram pelo país nas últimas décadas, mas não resistiram à disputa acirrada do mercado. “Em outros grandes segmentos da economia, geralmente se conta nos dedos de uma mão o número de empresas disputando o mercado brasileiro”, comparou Moraes.

Por outro lado, a baixa competitividade de nosso mercado provocada pelo altíssimo Curto Brasil impede o maior acesso de produtos nacionais a mercados externos. A exceção é a vizinha Argentina, onde os veículos brasileiros representam 63,1% das vendas. No México, parceiro de livre comércio, apenas 5,8% dos carros vendidos são feitos no Brasil. No restante da América Latina, que deveria ser um grande destino para produtos produzidos no Brasil, não chegamos a 10% de participação. Pior é nos outros continentes, onde os carros brasileiros só conseguem abocanhar fatias inferiores a 1%.

Durante a coletiva de imprensa, o presidente da Anfavea citou mais um exemplo revelador da falta de competitividade da indústria nacional. “Suponhamos um cenário onde uma montadora possua um R$ 100 milhões de crédito acumulado junto a um governo estadual, cuja origem foi a exportação de veículos. Se esse valor ficar retido por um ano, isso irá gerar dois impactos financeiros negativos: o primeiro é o custo de carregamento, com uma taxa de juros de 1,25% ao mês, por exemplo. O segundo é o deságio e outras despesas operacionais para repassar adiante esse crédito, que gira em torno de 6%. A combinação desses dois fatores gera uma perda financeira de 20%. Trata-se de um custo real que impacta o balanço das empresas e encarece o produto. É difícil convencer o consumidor de outro país a pagar nossas ineficiências tributárias, embutidas no preço dos produtos que exportamos – algo que não ocorre com os produtos importados que chegam ao Brasil”.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Dodge Dart completa 50 anos do lançamento no Brasil

Modelo foi o primeiro automóvel da marca a ser produzido no país “Velocidade. Potência. De…