Desta vez o vilão foi o etanol: em apenas um mês o combustível natural subiu 2,6%, índice que foi decisivo para a alta de 0,87% da Inflação do Carro da Agência Autoinforme. 
De qualquer forma, não dá para reclamar, porque o custo para o motorista andar com o carro e fazer a manutenção em março, embora expressivo, subiu menos do que nos meses anteriores (1,03% em fevereiro e 0,94% em janeiro) e também ficou abaixo da inflação oficial: o IPC da Fipe registrou alta de 0,97% no mês.
No acumulado do trimestre o índice também é menor: a Inflação do Carro fechou em 2,86% e o IPC da Fipe foi de 3,26%.
Além do álcool, outro item que teve alta expressiva no mês foi o estacionamento por período (dia ou hora). Estacionar o carro ficou 1,07% mais caro. A troca das pastilhas de freio foi o terceiro item que mais subiu, com alta de 0,73%.
A Agência AutoInforme pesquisa mês a mês os preços de todos os itens necessários para o motorista rodar com o carro e fazer a manutenção preventiva. O cálculo refere-se a um carro pequeno e o custo do motorista em março foi de R$ 1.297,37.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados
 
Até que não subiu muito o custo do motorista para andar de carro e fazer a manutenção preventiva em 2014. A Inflação do Carro da Agência Autoinforme, que levanta os preços de todos os itens usados pelo motorista, encerrou 2014 com uma alta de 4,1%, índice bem abaixo da inflação no País, que foi de 5,2% conforme o IPC da Fipe.
 
E se não fosse a crise de abastecimento de água em São Paulo o índice poderia ser menor. É que a falta d’água provocou o fechamento de muitos lava-rápidos e elevou os preços da lavagem do carro. Mesmo sendo um item que não tem muito peso na composição da Inflação do Carro, a lavagem pesou no índice final porque teve um aumento expressivo no ano. O preço da lavagem completa subiu 7,5% e a lavagem simples teve uma alta de 20,1%. Foram os dois itens que mais subiram em 2014.
 
Mais sete itens tiveram aumentos expressivos no ano passado, acima de 5%. O maior deles foi do estacionamento, que ficou 6% mais caro. O balanceamento subiu 5,8% e alinhamento e lona de freio ficaram 5,3% mais caros. O jogo de velas e a correia dentada subiram 5,1% e a mão de obra 5,2%.
 
Álcool e gasolina, esses sim com grande peso da composição da Inflação do Carro (os combustíveis representam 30% de todas as despesas do motorista), tiveram aumentos inexpressivos em 2014. Ambos subiram 1,9% no período.
 
\"\"
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Empresas do Espítito Santo vão operar primeiro ônibus 100% elétrico da BYD

Veículo BYD tem 350km de autonomia e é pioneiro no segmento O primeiro ônibus elétrico par…