Home Notícias Instituto Renault apoia ações de restauração de bacia hidrográfica no Paraná

Instituto Renault apoia ações de restauração de bacia hidrográfica no Paraná

Comentários desativados em Instituto Renault apoia ações de restauração de bacia hidrográfica no Paraná

Responsável por abastecer parte de Curitiba e Região Metropolitana, bacia do Rio Miringuava necessita de ações de conservação para evitar que fornecimento de água seja comprometido

A bacia hidrográfica do Rio Miringuava é a principal fonte de água de São José dos Pinhais, abastecendo inclusive parte de Curitiba e outros municípios metropolitanos. Cerca de 230 mil pessoas, além de indústrias e produtores agrícolas, dependem do fornecimento de água que vem da bacia. Entretanto, isso pode ser comprometido caso a área não passe por ações de conservação. Para contribuir com a segurança hídrica no futuro e com a realidade socioeconômica da região, a Fundação Grupo Boticário lança o movimento Viva Água em parceria com o Instituto Renault, que busca conscientizar e mobilizar a sociedade para cuidar da bacia do Miringuava.

“No Instituto Renault estamos sempre buscando projetos que impactem positivamente a sociedade. Conservar e restaurar a bacia do Rio Miringuava é uma ação do presente que com certeza trará muitos benefícios futuros, garantindo a continuidade do fornecimento de água para Curitiba e região metropolitana”, afirma Caique Ferreira, vice-presidente do Instituto Renault e diretor de Comunicação da Renault do Brasil.

O movimento Viva Água busca também outros apoiadores da indústria, comércio, poder público e sociedade civil organizada para colocar em prática um plano de melhoria da infraestrutura natural e alavancagem de negócios com impacto social e ambiental positivo na bacia do Rio Miringuava. Miguel Krigsner, presidente do Conselho Curador da Fundação Grupo Boticário, destaca que “O movimento é uma ação estratégica para garantir a segurança hídrica a longo prazo e promover uma transformação ambiental e socioeconômica na região da bacia, beneficiando todos aqueles que necessitam dessa água para suas atividades, seja para a saúde e o bem-estar ou mesmo econômicas”.

Diante do papel vital dos recursos hídricos para toda a sociedade, o movimento Viva Água irá investir R$ 1,5 milhão para os primeiros 18 meses do projeto. A previsão é de que ao todo R$ 6 milhões sejam direcionados nos próximos 5 anos para alavancar as estratégias de conservação e restauração.

Para ampliar o impacto da iniciativa, o movimento também concentrará esforços para articular parceiros na região. “Queremos mostrar para atores de diferentes setores a dependência que negócios e a população têm dos serviços oferecidos pela natureza. A partir dessa conscientização, esperamos que, além de trabalharem com o aumento dos níveis de ecoeficiência interna, também estejam alinhados com ações de conservação da água na sua origem, olhando para fora do seu negócio”, afirma o diretor-presidente da Fundação Grupo Boticário, Artur Grynbaum.

A bacia do Rio Miringuava

Entre os problemas encontrados na bacia hidrográfica do Rio Miringuava estão questões como a escassez hídrica e a grande quantidade de sedimentos nos rios. Em 2018, durante um período de estiagem, muitos poços secaram e os agricultores da região enfrentaram racionamento de água. Já em períodos de chuva intensa, como o enfrentado no final de maio, a quantidade de sedimentos no rio aumenta, podendo limitar a disponibilidade de água e sobrecarregar o sistema de tratamento, acarretando possível elevação de custo e tempo com o tratamento da água.

Diante da importância da bacia do Miringuava para o abastecimento da região, um reservatório está sendo construído na região para garantir o fornecimento contínuo de água. O novo reservatório é um investimento da Sanepar, que já possui uma Estação de Tratamento de Água na bacia. “O Rio Miringuava é um dos mais importantes para São José dos Pinhais seja pela biodiversidade no seu entorno da nascente à foz; seja pela importância econômica, tanto para agricultores, quanto para o turismo rural e as indústrias; e ainda pelo fornecimento de água para o abastecimento da nossa cidade e em breve das cidades vizinhas, considerando a barragem que está em construção”, declara o prefeito de São José dos Pinhais, Toninho Fenelon.

Porém, sem processos de restauração e conservação do patrimônio natural na região, a disponibilidade hídrica da bacia e a qualidade da água que chega para tratamento continuarão a ser comprometidas. “Muitas áreas de preservação permanente encontram-se degradadas na bacia do Miringuava e características de uso e ocupação do solo na região contribuem para o aumento da quantidade de sedimentos e poluentes nos corpos d’água da bacia. Preservar e recuperar a vegetação nativa, assim como a adoção de melhores práticas de uso do solo, podem contribuir para melhorar este cenário”, explica a diretora-executiva da Fundação Grupo Boticário, Malu Nunes. Além da restauração e conservação, o movimento pretende incentivar a agricultura sustentável e o turismo rural na região.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Prêmio TOP CAR TV chega a sua 20ª edição

Para avaliar o impacto da premiação na visibilidade das marcas de veículos na mídia, uma p…