Uma decisão provisória da Justiça Federal em Brasília, determinou a suspensão das multas aplicadas a motoristas flagrados trafegando com o farol desligado, de dia, em rodovias. Como é liminar, o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) pode recorrer para reverter o entendimento.
A ação civil pública foi ajuizada pela ADPVAT (Associação Nacional de Proteção Mútua aos Proprietários de Veículos Automotores). A entidade argumentou que a norma foi instituída com finalidade arrecadatória. Além disso, diz que a multa é desproporcional para a infração. Sustenta, também, que a falta de sinalização adequada dificulta, ao motorista, saber quando está trafegando em uma rodovia. “Em grande parte das cidades brasileiras, o cerne das reclamações é que os motoristas precisam manter os faróis acessos nas cidades, pois no Brasil é muito comum as estradas cortarem as cidades, visto que em suas origens, as cidades “nasceram e cresceram” em torno das estradas. As ruas, avenidas, vias, estradas, rodovias etc. não sinalizadas. Não se pode exigir, com rigor, dos motoristas a observância de um regulamento em detrimento do outro”, defende a ADPVAT.
O juiz federal substituto Renato Borelli concordou com o argumento. Ele ainda reforça que, conforme o CTB (Código de Trânsito Brasileiro), não podem ser aplicadas sanções quando falta sinalização. Assim, decidiu que as multas devem deixar de ser aplicadas, “até que haja a devida sinalização das rodovias”.
O Denatran afirmou, por meio da assessoria de imprensa, que ainda não foi intimado da decisão e que é preciso tomar conhecimento do teor para definir os procedimentos a serem adotados.
Fonte: Agência CNT de Notícias
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Ford Fund doa 9.000 máscaras para comunidades de São Paulo em projeto que gera renda para costureiras

Em parceira com a Aldeias Infantis SOS Brasil, a iniciativa faz parte do projeto Costura S…