Home Notícias Lítio encarece com aumento da frota de veículos elétricos

Lítio encarece com aumento da frota de veículos elétricos

Comentários desativados em Lítio encarece com aumento da frota de veículos elétricos
 
Conhecido como “a nova gasolina”, o lítio, matéria-prima para baterias que alimentam veículos elétricos e equipamentos de alta tecnologia, como smartphones, está cada vez mais demandado e caro. E a tendência é que essa expansão se acelere, diante das projeções de desenvolvimento da indústria de automóveis híbridos e elétricos no mundo. 
Atualmente, 33% do consumo do lítio está vinculado à produção de baterias para veículos, conforme a consultoria IHS Chemical. Mas o índice deve aumentar, já que a expectativa é que, em 2025, carros elétricos e híbridos (os que estão equipados com uma bateria e um motor à combustão interna) constituirão 40% dos novos emplacamentos em todo o mundo. Serão 40 milhões de carros ingressando no mercado todos os anos e que precisarão de uma bateria de lítio. 
Além disso, a discrepância que existe entre os preços dos modelos convencionais para os elétricos reduza, alavancando a procura por esses automóveis. Atualmente, o carro elétrico é 45% mais caro que o convencional. Em 2025, essa diferença deve cair para 5%. Os números são da consultoria AlixPartners. Outro indicativo para o aumento do mercado é o fato de a China ter a meta de ter, nas ruas, cinco milhões a mais de veículos elétricos até 2020. 
Com tudo isso, a projeção é que a demanda pelo lítio em 2025 seja 11 vezes maior do que é hoje, podendo chegar à marca de 300 mil toneladas por ano. Para se ter uma ideia da necessidade do uso do metal, um automóvel como o Chevrolet Volt, híbrido da GM, precisa de 100 vezes mais lítio do que o usado em um notebook para ter autonomia de 60 quilômetros. 

Produção e valorização 
Esses cenários tornam o lítio um produto cada vez mais valorizado. O preço do espodumênio, mineral do qual ele é extraído, aumentou 20% em dois anos. Atualmente, o custo da tonelada é de US$ 480, US$ 100 a mais do que em 2014, segundo dados da consultoria londrina Benchmark Mineral Intelligence. Já o preço atual do carbonato de lítio, variante química mais utilizada no mercado chinês, subiu 215% entre o último trimestre de 2015 e o primeiro de 2016, até chegar a US$ 19.000 a tonelada, segundo analistas do Citigroup. Para este ano, é estimado um aumento de 30% no restante do mundo. 
O professor e pesquisador da USP (Universidade de São Paulo) Douglas Wittmann explica que a grande diferença entre o preço do espodumênio e do lítio ocorre porque, para a obtenção de uma tonelada de lítio, são necessárias, em média, nove toneladas de espodumênio. Além disso, a produção demanda ácido sulfúrico, hidróxido de cálcio e carbonato de sódio. Somam-se aos custos das matérias-primas os de operação da produção e do tratamento dos efluentes e resíduos. 
Além do elevado custo para obtenção, o lítio não tem uma cotação oficial de mercado e apenas quatro empresas controlam 85% da produção mundial. São elas: a chilena SQM, as norte-americanas FMC e Albermale e a australiana Talison. 
Produção e reservas
 
Enquanto os chineses atingem uma produção expressiva do carbonato de lídio, devido a incentivos do estado, mais de 50% da reserva mundial do metal está concentrada na América do Sul.  A Bolívia, com 22,7%, é o país que possui a maior quantidade, com cerca de 40 milhões de toneladas, segundo dados do US Geological Survey. Somado a Chile (18,9%) e a Argentina (16,4%), os três países concentram, na região das salinas, conhecida como o Triângulo do Lítio, a maioria das reservas mundiais.

Fonte: Agência CNT de Notícias

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Tour virtual à exposição especial “25 Anos do Boxster” no Museu da Porsche

44º Dia Internacional dos Museus em 16 maio de 2021 Os museus cuidam de tesouros e contrib…