Empresas devem seguir protocolo de segurança para manterem as portas abertas.

O Decreto 10.329 de 28 de abril de 2020, publicado no Diário Oficial da União, inclui a comercialização de autopeças e pneumáticos na lista das atividades essenciais do comércio no País, determinando a abertura de lojas e distribuidoras desde que respeitados os protocolos de proteção a clientes e colaboradoras, previstos pela OMS.

De acordo com o decreto, estão liberados os serviços de comercialização, reparo e manutenção de partes e peças novas e usadas e de pneumáticos novos e remoldados, além das atividades de comércio de bens e serviços, incluídas aquelas de alimentação, repouso, limpeza, higiene, comercialização, manutenção e assistência técnica automotivas, de conveniência e congêneres, destinadas a assegurar o transporte e as atividades logísticas de todos os tipos de carga e de pessoas em rodovias e estradas.
Embora estados e municípios tenham autonomia para definir as medidas de restrição e isolamento social, o Decreto Federal 10.329 garante segurança jurídica para a abertura e funcionamento dos distribuidores e varejistas de autopeças, já que as encaixa na categoria de atividades essenciais.

Normas para funcionamento

A comercialização de autopeças está liberada, desde que as empresas respeitem as normas de saúde da OMS sob pena de autuação e multas pela fiscalização.

Entre as medidas de segurança estão o distanciamento entre os clientes e colaboradores, oferta de álcool em gel e o uso de máscaras durante os atendimentos.

Recomenda-se também que os uniformes sejam lavados diariamente, assim como o chão da loja, limpo com água sanitária e sabão. Aumentar a higienização dos banheiros com água sanitária antes e depois de utilizado. Enquanto o balcão de trabalho deve ser higienizado a cada 30 minutos pelo próprio colaborador.

A OMS ainda orienta os profissionais que estão no balcão a lavar mãos e rostos com água e sabão a cada 30 minutos e evitar o contato físico. Além disso, é aconselhável que cada funcionário tenha sua caneta e não compartilhe materiais de uso pessoal, quanto a interruptores, telefones e outros itens de uso coletivo devem ser sempre higienizados.

Linha de Crédito

Mesmo com o Decreto 10.329, que caracteriza as autopeças como essenciais garantindo a abertura e funcionamento delas, essas empresas ainda não estão prontas para superar a crise gerada pelo fechamento do comércio, segundo indica pesquisa do Sincopeças-SP, Sindicato do Comércio Varejista de Peças e Acessórios para Veículos no Estado de São Paulo.

De acordo com a pesquisa, embora a maior parte dos empresários do setor (68,42%) deseje manter a equipe sem a redução de salários, 86,49% dos entrevistados não conseguiram linha de crédito junto aos bancos. Logo, a entidade tem buscado soluções para auxiliar essas empresas.

“Estamos pleiteando linhas de crédito a juros zero junto ao Governo do Estado, via banco de fomento Banco do Povo e Desenvolve SP. Junto ao Governo Federal, o Sincopeças-SP alinhou linha de crédito via BNDES para pagamento da folha de salário a juros Selic. Por extensão desse pleito, o Sincopeças-SP também sugere linha de crédito especial para proprietários de veículos, especificamente para manutenção de seus carros” revela Francisco Wagner De La Tôrre, presidente do Sincopeças-SP

Ainda de acordo com o executivo, várias entidades patronais do setor automotivo encaminharam ofício ao presidente da Febraban – Federação Brasileira de Bancos, Isaac Sidney Menezes Ferreira, solicitando medidas emergenciais que visam à minimização da inadimplência junto aos bancos, assim como estimular a retomada destas atividades junto ao mercado.

“O cenário é muito volátil, muda diariamente, e todos os empresários devem ficar atentos a esses dados porque apontam caminhos que podem ser adotados pelas empresas neste momento turbulento”, finaliza De La Tôrre.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

No Dia da Árvore, Ford reforça seu compromisso com a preservação ambiental

Tratamento ecológico na Fábrica de Camaçari, que mantém 2,4 milhões de m² de áreas verdes …