Verduras totalmente livres de agrotóxicos serão cultivadas para consumo diário de mais de 10 mil pessoas na planta

Em sintonia com sua busca constante pela inovação, sustentabilidade e pelo bem-estar dos colaboradores, a Mercedes-Benz do Brasil inaugura a primeira Fazenda Urbana instalada dentro de uma indústria no mundo. Localizada na fábrica de veículos comerciais de São Bernardo do Campo, em São Paulo, a produção de verduras é 100% livre de agrotóxicos para consumo nos restaurantes da Empresa.

A iniciativa inédita de plantar hortaliças em um parque fabril dedicado à produção de caminhões e ônibus tem como foco principal proporcionar uma alimentação de mais qualidade aos colaboradores. É a aplicação do conceito “farm to table”, ou seja, da fazenda para a mesa com a procedência dentro de casa.

Além disso, a Fazenda Urbana permite que a Mercedes-Benz contribua ainda mais com a preservação do meio ambiente. Isso porque a produção na estufa, ao lado do restaurante da Empresa, elimina o desperdício de alimentos durante o transporte e tem zero emissão de CO2. “O projeto reúne vários pilares que norteiam todas as atividades do Grupo Daimler, como inovação, sustentabilidade, saúde e responsabilidade social”, ressalta Carlos Santiago, vice-presidente de Operações da Mercedes-Benz do Brasil.

O projeto da Fazenda Urbana é inovador em muitos sentidos. A Mercedes-Benz do Brasil uniu-se à BeGreen, startup mineira que, desde 2014, dedica-se a produzir alimentos de forma sustentável. Juntas, levaram adiante a parceria entre uma empresa da indústria automotiva e uma startup em um projeto de sustentabilidade. A Mercedes-Benz cedeu o espaço na fábrica e a BeGreen gerencia todo o processo de produção e também é responsável pela administração da rotina da Fazenda Urbana.

Com um cultivo totalmente livre de agrotóxicos, a Fazenda Urbana garantirá uma alimentação mais saudável, saborosa e nutritiva aos colaboradores, trazendo uma maior diversidade de produtos nas refeições. Ajustes estão sendo feitos no cardápio para incluir mais opções de saladas e a utilização de temperos frescos na preparação dos pratos.

Entre as verduras cultivadas na Fazenda Urbana pela BeGreen estão alface baby (verde e roxa) com sementes importadas da Holanda, rúcula, espinafre, agrião e chicória. Os temperos são salsinha, hortelã, cebolinha, coentro, manjericão e sálvia. Em uma segunda etapa serão produzidos legumes como tomate e berinjela.

Hortaliças podem ser adquiridas pelos colaboradores e abastecer ONGs

Os benefícios do consumo de produtos frescos e saudáveis cultivados na Fazenda Urbana não estarão restritos apenas aos colaboradores da Mercedes-Benz do Brasil. Com capacidade para produzir 2.680 quilos de hortaliças – ou 44 mil pés de verduras, ervas e temperos por mês –, a estufa terá a maior parte da colheita destinada aos restaurantes da fábrica de São Bernardo do Campo, mas uma parcela será reservada para os colaboradores que quiserem comprar os alimentos e levar para casa para preparar nas refeições com a família.

Os interessados podem fazer uma assinatura mensal pelo site da BeGreen que garante uma cesta de alimentos semanalmente. Além disso, eles poderão aprender a plantar verduras orgânicas, multiplicando assim o conceito da alimentação saudável.

As ONGs parceiras da Empresa também serão beneficiadas pelo projeto. De acordo com o volume, as verduras podem ser doadas para instituições como a “Hamburgada do Bem” e a Instituição Assistencial Meimei – IAM, que atendem crianças e adolescentes carentes.

“O projeto da Fazenda Urbana evidencia o compromisso da Mercedes-Benz em investir na qualidade de vida de seus colaboradores, como também de seus familiares. Estamos engajados com o presente e principalmente com o futuro de uma sociedade melhor”, afirma Carlos Santiago.

“A parceria com a Mercedes-Benz será muito importante para aumentar a contribuição ambiental que nós, da BeGreen, queremos proporcionar para a população. Levar alimentação saudável para mais de 10.000 pessoas, dentro dessa fábrica, e também para seus familiares e comunidade é uma oportunidade de multiplicar o nosso propósito e é, sem dúvida, um marco na história da indústria brasileira”, afirma Giuliano Bittencourt, CEO da BeGreen.

Métodos inovadores de cultivo

A combinação das técnicas de aquaponia e aeroponia com o uso de tecnologias como a luz de LED e software de gestão garante a produção em larga escala em um curto espaço de tempo. A aquaponia integra a criação de peixes com a produção de plantas, adotando a água como meio comum. Os peixes ficam em um tanque e são alimentados com ração orgânica, e uma bomba transfere a água do tanque, já rica em nutrientes, até o sistema de hidroponia, em que são cultivadas as hortaliças. A água é então purificada pelas plantas e, por meio da mesma bomba é devolvida ao tanque dos peixes, fechando o ciclo. As vantagens da aquaponia são o baixo consumo de energia elétrica e a economia de 90% de água em relação à agricultura convencional. O método de cultivo também dispensa o uso de fertilizantes e pesticidas químicos.

Pela primeira vez na América Latina, a aeroponia é implementada dentro de uma fábrica, confirmando o pioneirismo da Mercedes-Benz. O sistema, desenvolvido em parceria o SENAI CIMATEC da Bahia, o Sebrae e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e a BeGreen, segue o mesmo princípio da aquaponia, com a diferença de que as raízes das hortaliças ficam suspensas no ar. Nesse método, a água que provém dos peixes chega às plantas após um processo de nebulização, umedecendo as raízes com uma névoa repleta de nutrientes.

“Com a aeroponia, é possível quadruplicar a produtividade na estufa, ampliando os benefícios da alimentação saudável para os colaboradores, suas famílias e a comunidade”, explica Carlos Santiago.

A tecnologia fecha esse ciclo virtuoso ao auxiliar o crescimento saudável das hortaliças e possibilitar o cultivo em larga escala. Com a ajuda de um sistema modular para suporte à iluminação LED é possível compensar a falta de luz à noite, por exemplo, além de utilizar a luz apenas em algumas fases do crescimento das plantas e direcionar as ondas para “programar” o cultivo.

Fazenda Urbana 4.0

Trazendo os conceitos da Indústria 4.0 para a Fazenda Urbana, um software desenvolvido exclusivamente para o projeto faz o monitoramento, a operação e a gestão de todos os processos. A tecnologia permite controlar a temperatura, a luminosidade, a umidade, a condutividade e o PH da água. O sistema é online e possibilita o acompanhamento em tempo real de qualquer dispositivo conectado à internet.

Uma série de experimentos técnico-científicos foram conduzidos no laboratório de testes montado e equipado no SENAI CIMATEC pela equipe técnica do projeto. Os resultados obtidos com a utilização do sistema de iluminação LED proposto foram promissores, chegando a reduzir o ciclo de cultivo da alface em até 40% em relação ao cultivo convencional. Ao fim do projeto foi possível definir combinações de iluminação LED ideais para o cultivo de alface e tomate, cuja eficiência foi comprovada em testes laboratoriais. Além disso, o sistema aeropônico desenvolvido e o nível de maturidade alcançados no projeto fazem dele a primeira iniciativa nacional com potencial real de produção comercial em larga escala em um curto espaço de tempo.

“Ao promover a alimentação saudável na Empresa e mostrar processos sustentáveis de plantio com a Fazenda Urbana, a Mercedes-Benz incentiva as pessoas à mudança de hábitos que vão ao encontro de uma melhor qualidade de vida”, conclui Santiago.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

DAF CF Electric percorre 150 mil quilômetros movido a eletricidade na Europa

A distância equivale a quase quatro voltas ao redor do mundo e é a experiência prática que…