No sexto dia, o Rally Dakar foi todo dentro da Bolívia, com a passagem pelo famoso Salar de Uyuni, que é a maior planície de sal do mundo, com 10.582 quilômetros quadrados.
“Foi uma especial típica de Dakar, 542 km bem cansativos, com piso ruim, cruzamento de estrada, rio, pegamos areia e contornamos o Salar, com trechos e alta e baixa”, descreve o navegador Gustavo Gugelmin. Fomos costeando o Salar e foi muito prazeroso estar correndo com ele a nosso lado, aquela imensidão branca”, afirma.
Ao lado do piloto João Franciosi, a dupla ganhou sete posições, terminando o dia em 25o, com um total de 5h45min11 de prova. “Conseguimos uma posição melhor e subimos na classificação geral, encostando nos outros três que estavam à nossa frente. O ASX Racing se comportou muito bem, nem pneu furado tivemos”, completa Gustavo.
A prova foi realizada entre 3.500 e 4.200 metros de altitude, onde o ar fica ainda mais rarefeito. O ritmo e o terreno mudavam constantemente, alternando entre areia e pedras.
Etapa 7 – 09 de janeiro
Uyuni (BOL) – Salta (ARG)
Deslocamento: 440 km
Especial: 353 km
Total: 793 km
“A altitude é um fator que influência muito, não só para o carro, mas para nós também. Na sétima etapa vamos andar na mesma altitude, ou ainda mais alto, e continuará a ser um dia difícil. Mas ainda bem que temos o descanso no domingo”, festeja Gugelmin.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Caio Collet sobe ao pódio na abertura da Fórmula Renault Eurocup

Brasileiro chegou em terceiro lugar no circuito de Monza A bordo do Renault #1 da equipe R…