Home Destaques Polo Automotivo Jeep completa seis anos

Polo Automotivo Jeep completa seis anos

Comentários desativados em Polo Automotivo Jeep completa seis anos

Mais de um milhão de veículos já foram produzidos nos seis anos de operação do Polo

Com a marca de um milhão de veículos recém alcançada, o Polo Automotivo Jeep chega ao sexto ano de operação com motivos para celebrar. Foi desta planta que saiu o primeiro carro conectado da Stellantis no Brasil: o Jeep Renegade equipado com a Adventure Intelligence by Jeep Connect, plataforma de serviços de conectividade. Ali também nasceu a nova geração da picape Fiat Toro e do líder de segmento Jeep Compass. Mas o Polo não para por aí. Ainda este ano será lançado o quarto produto da planta pernambucana, um modelo inédito que chega para colocar a Jeep no segmento de D-SUV e consolidar o Polo como um verdadeiro SUV Center.

“Estamos colhendo os frutos do trabalho desenvolvido nesses seis anos. Ao lado do foco nas inovações tecnológicas, conseguimos também alcançar a maturidade do time e, consequentemente, resultados motivadores”, comemora Pierluigi Astorino, Diretor de Manufatura da Stellantis para América do Sul.

Desde o início de suas atividades, o Polo Jeep investe no desenvolvimento de suas pessoas. Atualmente, mais de 14 mil pessoas trabalham no Polo Automotivo Jeep. Cerca de 90% são nordestinos, sendo 85% pernambucanos. Eles são protagonistas do sucesso do Polo. “Ao mesmo tempo que preparamos nossa linha de produção para receber o novo veículo, ainda mais sofisticado e com mais tecnologia embarcada, capacitamos o time para as novas operações, ao mesmo tempo em que seguimos com a produção dos outros modelos, incluindo as novas gerações de Fiat Toro e dos Jeep Compass e do Renegade conectado”, explica Juliana Coelho, Plant Manager do Polo Automotivo Jeep. Para iniciar a produção do novo veículo, 454 pessoas foram capacitadas no Process Center, laboratório que simula a linha de montagem, dentro do Polo Jeep.

Concebida para produzir até quatro modelos simultaneamente, a planta passou por ajustes para receber no segundo semestre o novo utilitário esportivo, um D-SUV com capacidade para sete passageiros. Antes de chegar à manufatura de fato, as adaptações foram concebidas virtualmente durante nove meses com a participação integrada de todas as áreas envolvidas. “Dessa forma, conseguimos simular a linha de produção e antecipar os desafios. Consequentemente, somos mais assertivos e ágeis na prática, além de alcançar maior eficiência no custo e identificar pontos de melhoria que beneficiam todos os modelos produzidos na planta, garantindo mais qualidade ao produto final”, acrescenta Juliana.

O novo carro será o maior e mais sofisticado produzido localmente e está sendo desenvolvido desde o início totalmente no Brasil (é o único SUV do segmento D, ou seja, SUVs grandes, projetado no País), mas tem conceito global e será exportado também para outros países latino-americanos.

Fornecedores

A Stellantis dá continuidade à estratégia de ampliação da cadeia de fornecedores em Pernambuco. Desde a inauguração das operações, há seis anos, a empresa vem buscando atrair novas empresas para a região. O Polo Automotivo Jeep foi inaugurado com um Parque de Fornecedores formado por 16 empresas em seu perímetro industrial, em Goiana. A Stellantis, em sintonia com a política de industrialização do Governo do Estado, continua dialogando com fornecedores para que se estabeleçam no entorno do Polo e a expectativa é que até 2025 estejam instalados em Pernambuco 61 fornecedores, entre materiais diretos e indiretos. Atualmente, a cadeia de fornecedores automotivos local é formada por 41 empresas.

Desde o início das operações, a estratégia de estabelecer junto à planta vários fornecedores estratégicos permitiu que os veículos produzidos no Polo alcançassem um alto índice de nacionalização. Atualmente, esse índice ultrapassa a marca de 60%, um destaque na indústria automotiva brasileira. “A alta localização da produção atrai indústrias para o entorno da planta Jeep, uma vez que a indústria automotiva tem uma cadeia longa de produção, que envolve muitos fornecedores de diversos setores. Os fornecedores, por sua vez, necessitam desenvolver seus próprios fornecedores de insumos e serviços e, deste modo, ativa-se uma corrente de industrialização“, explica Juliana Coelho.

Logística

Com um alto índice de nacionalização dos componentes utilizados, a Jeep é a primeira montadora no Brasil a utilizar a cabotagem como fluxo permanente para transporte de componentes. A modalidade se refere à navegação entre portos ao longo da costa, com a terra à vista. Desde 2018 o Polo utiliza a cabotagem para a movimentação de componentes entre as regiões Sul e Sudeste e a planta em Goiana. As partes chegam pelo Porto de Suape e de lá seguem para a fábrica via transporte rodoviário. Além do custo mais baixo, a movimentação marítima também está alinhada com o pilar da Stellantis de buscar sempre a sustentabilidade do negócio, reduzindo o impacto ambiental da movimentação logística.

Carbono Neutro

Comprometido com a sustentabilidade desde o início de sua operação, o Polo Automotivo Jeep deu mais um importante passo em sua jornada. Em fevereiro, se tornou o primeiro complexo industrial multiplantas carbono neutro da América Latina. Além da Jeep, as 16 fábricas que compõem o Parque de Fornecedores também aderiram a iniciativas de compensação de emissões, por meio do programa Amigos do Clima, tornando todo o complexo neutro através de uma estratégia combinada de redução e compensação das emissões. Para a neutralização, foram desenvolvidos os inventários de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE), que passaram por auditoria e a compensação ocorreu através de créditos de carbono. A iniciativa faz parte de um programa mais amplo da Stellantis que atua em vários elos da cadeia de valor, passando pela manufatura, fornecedores e concessionários. Certificada como neutra desde 2017, a Jeep reduziu em 18% o indicador entre 2020 e 2019.

A Jeep também foi a primeira planta no Nordeste a ser Aterro Zero. Cem porcento dos resíduos gerados no processo produtivo são enviados para a reciclagem e reutilização. Os resíduos são encaminhados para a Ilha Ecológica do Polo, onde acontece o gerenciamento de 13 mil toneladas mensais de resíduos. Atualmente, 88% dos contratos de destinação de resíduos são com empresas da região, impulsionando o entorno do Polo e o desenvolvimento da cadeia da reciclagem local, com a criação de oportunidades de novos negócios.

A gestão hídrica do Polo também é destaque. Desde o início das operações, houve a redução de 46% do consumo de água por veículo produzido, além de alcançar o índice de 99,5% de reuso de água do processo industrial. O máximo reaproveitamento faz com que os recursos naturais sejam preservados e otimizados. Em um mês, cerca de 23 mil metros cúbicos de água deixam de ser captados da rede pública de abastecimento, o equivalente a seis piscinas olímpicas ou ao consumo médio mensal de 6,8 mil pessoas.

Outra iniciativa é o Programa de Biodiversidade. Uma área que antes era ocupada por monocultura de cana-de-açúcar está sendo reflorestada com mudas do bioma original da Mata Atlântica. Até 2024, serão criados 304 hectares de área verde e corredores ecológicos. Até hoje, foram plantadas mais de 110 mil mudas de 295 espécies diferentes, 27 delas em extinção. O objetivo é chegar a 208 mil mudas até 2024.

Artigos Relacionados
Leia mais em Destaques
Comentários estão fechados

Veja também

Ford Transit chega ao Brasil com padrão inédito de tecnologia e produtividade

Além do motor mais potente da categoria, a Transit traz tecnologias semiautônomas exclusiv…