A Fundação Volkswagen, que é responsável por coordenar os investimentos sociais da Volkswagen do Brasil há 35 anos, lança esta semana a terceira etapa do projeto “Costurando o Futuro”, que consiste em aprimorar conhecimentos das participantes sobre empreendedorismo na prática, por meio do incentivo a formalização dos grupos de trabalho.
O projeto é desenvolvido em São José dos Pinhais desde 2013 e atualmente é realizado em parceria com a Prefeitura Municipal e a Aliança Empreendedora. Com foco na transformação social de moradores do entorno da fábrica da Volkswagen do Brasil, o programa visa o desenvolvimento de habilidades de corte e costura, além de visão de negócios.
Além do foco social e econômico, impulsionando a geração de trabalho e renda na comunidade, o “Costurando o Futuro” tem atuação ambiental, praticamente contribuindo para a eliminação  do descarte de tecidos automotivos em aterros. Desde que foi iniciado, em 2009, em São Bernardo do Campo, o projeto reutilizou 72 toneladas de tecido.
 
Nas oficinas, as participantes transformam em peças, como bolsas e acessórios, tecidos automotivos não utilizados pela Volkswagen do Brasil. O projeto também recebe tecido excedente de produção da marca de camisas Dudalina, que fornece o material por meio do seu Instituto Adelina. Com os retalhos, elas executam técnicas como patchwork (trabalho com retalho).
Nos últimos 15 meses, 90 mulheres fizeram parte das oficinas, sendo que muitas delas já estão no mercado de trabalho. Nesse período, foi formado um portfólio que conta com 37 produtos feitos a partir dos materiais doados pela Fundação Volkswagen, cuja venda ocorre em feiras e eventos.
Segundo a diretora da Fundação Volkswagen, Keli Smaniotti: “No projeto Costurando o Futuro estão presentes os três pilares da sustentabilidade: Do ponto de vista social, as mulheres aprendem um novo ofício, do ponto de vista econômico, elas começam a gerar renda, e no aspecto ambiental, reutilizam tecidos que seriam descartados em aterros”.
Durante a primeira etapa do projeto, elas participaram de cursos gratuitos de corte e costura; na segunda, receberam noções de administração de negócios e finanças, design, comunicação para ampliar possibilidades comerciais e empreendedorismo social para a estruturação de um negócio próprio.
“Por meio do projeto ‘Costurando o Futuro’ conseguimos oferecer condições para que as participantes pudessem não só aprender uma nova profissão, mas vislumbrar novas possibilidades para suas próprias vidas com base na sustentabilidade social, econômica e ambiental” – afirmou o Superintendente da Fundação Volkswagen Dr. Eduardo Barros.
“Sempre quis aprender a costurar para mim e para minha família, mas desde que entrei no projeto ampliei os horizontes, hoje, além de fabricar as peças, também comercializo os produtos. Fazer parte da rede vai nos ajudar a estruturar ainda mais o nosso negócio” – diz a aluna Silvana Aparecida de Souza.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

BYD relança o Furgão 100% elétrico eT3 no Brasil

Com nova tecnologia, veículo é altamente silencioso e carrega em no máximo duas horas A BY…