\"\"A Fórmula E, primeiro campeonato composto por carros 100% movidos a eletricidade, inicia neste final de semana a primeira temporada de sua história. Com dez equipes e 20 pilotos, o circuito de rua de Pequim, capital chinesa, recebe a etapa inaugural da categoria.
 
E para Lucas di Grassi, um dos três brasileiros inscritos na disputa, o pontapé inicial da F-E representa uma realização pessoal e o início de uma nova fase tanto em sua carreira como também para o automobilismo em geral. "No meu caso são duas expectativas para o fim de semana", diz o paulistano de 30 anos, também piloto oficial da Audi no FIA WEC, o Campeonato Mundial de Endurance.
 
"A primeira realização é ver tudo funcionando, aquela expectativa para a primeira corrida da categoria, já que estou envolvido com a Fórmula E há dois anos e vi o nascimento, o crescimento e tive a felicidade de ser parte no desenvolvimento", destacou Lucas. Há exatamente dois anos, ele passou a atuar trabalhar em eventos promocionais de demonstração, e também tendo atuado como embaixador da série. No início do ano, ele se afastou das funções para viabilizar sua participação na categoria.
 
"E a segunda expectativa é relacionada ao meu próprio desempenho. O grid está cheio de pilotos com passagem pela Fórmula 1, pela Indy, GP2 e outras categorias top. Então é uma disputa que tem tudo para ser extremamente acirrada. O campeonato vai ser equilibradíssimo, e é importante começar muito bem", disse o brasileiro, que compete pela Audi-Sport ABT Formula E Team e terá ao seu lado o jovem alemão Daniel Abt.
 
Em 2014, Lucas já obteve um feito histórico ao terminar em segundo lugar no geral as 24 Horas de Le Mans a bordo do Audi R18 e-tron quattro, guiado ao lado do dinamarquês Tom Kristensen e do espanhol Marc Gené. Di Grassi igualou o resultado alcançado na prova em 1973 por José Carlos Pace, sendo o melhor resultado de um brasileiro na mais tradicional prova de endurance do mundo.
 
O grid da Fórmula E é um dos mais equilibrados do automobilismo internacional, com vários pilotos que já passaram pela F1, Indy, GP2 e em atividade, por exemplo, no próprio WEC, como são os casos do suíço Sébastien Buemi, dos franceses Stéphane Sarrazin, Nicolas Prost e Franck Montagni, dos espanhóis Jaime Alguersuari e Oriol Servia, o italiano Jarno Trulli, o alemão Nick Heidfeld, entre outros.
 
\"\"
 
"Nos testes já pudemos ver que o grid vai andar muito próximo. Embora tenhamos testado em um circuito normal, em Donington Park, e vamos correr em circuitos de rua, os acertos são completamente diferentes, mas já deu para ver que os tempos de volta serão muito próximos", disse Lucas.
 
A Fórmula E terá dez etapas, todas disputadas em circuitos de rua, iniciando neste fim de semana e com seu término programado para junho de 2015. Uma das curiosidades da categoria se dá nos pit stops: em vez de trocar a bateria, ou recarrega-la, o piloto troca de carro durante a prova.
 
No Brasil o canal por assinatura Fox Sports transmite todas as provas, e a etapa inaugural terá o treino classificatório e a corrida transmitidos ao vivo pelo canal, à uma hora e às 4h30 da madrugada de sexta (12) para sábado (13), respectivamente. Todas as atividades das etapas ficam concentradas em apenas um dia para diminuir o impacto nas cidades.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

 

 
\"\"A Fórmula E, primeiro campeonato composto por carros 100% movidos a eletricidade, inicia neste final de semana a primeira temporada de sua história. Com dez equipes e 20 pilotos, o circuito de rua de Pequim, capital chinesa, recebe a etapa inaugural da categoria.
 
E para Lucas di Grassi, um dos três brasileiros inscritos na disputa, o pontapé inicial da F-E representa uma realização pessoal e o início de uma nova fase tanto em sua carreira como também para o automobilismo em geral. "No meu caso são duas expectativas para o fim de semana", diz o paulistano de 30 anos, também piloto oficial da Audi no FIA WEC, o Campeonato Mundial de Endurance.
 
"A primeira realização é ver tudo funcionando, aquela expectativa para a primeira corrida da categoria, já que estou envolvido com a Fórmula E há dois anos e vi o nascimento, o crescimento e tive a felicidade de ser parte no desenvolvimento", destacou Lucas. Há exatamente dois anos, ele passou a atuar trabalhar em eventos promocionais de demonstração, e também tendo atuado como embaixador da série. No início do ano, ele se afastou das funções para viabilizar sua participação na categoria.
 
"E a segunda expectativa é relacionada ao meu próprio desempenho. O grid está cheio de pilotos com passagem pela Fórmula 1, pela Indy, GP2 e outras categorias top. Então é uma disputa que tem tudo para ser extremamente acirrada. O campeonato vai ser equilibradíssimo, e é importante começar muito bem", disse o brasileiro, que compete pela Audi-Sport ABT Formula E Team e terá ao seu lado o jovem alemão Daniel Abt.
 
Em 2014, Lucas já obteve um feito histórico ao terminar em segundo lugar no geral as 24 Horas de Le Mans a bordo do Audi R18 e-tron quattro, guiado ao lado do dinamarquês Tom Kristensen e do espanhol Marc Gené. Di Grassi igualou o resultado alcançado na prova em 1973 por José Carlos Pace, sendo o melhor resultado de um brasileiro na mais tradicional prova de endurance do mundo.
 
O grid da Fórmula E é um dos mais equilibrados do automobilismo internacional, com vários pilotos que já passaram pela F1, Indy, GP2 e em atividade, por exemplo, no próprio WEC, como são os casos do suíço Sébastien Buemi, dos franceses Stéphane Sarrazin, Nicolas Prost e Franck Montagni, dos espanhóis Jaime Alguersuari e Oriol Servia, o italiano Jarno Trulli, o alemão Nick Heidfeld, entre outros.
 
\"\"
 
"Nos testes já pudemos ver que o grid vai andar muito próximo. Embora tenhamos testado em um circuito normal, em Donington Park, e vamos correr em circuitos de rua, os acertos são completamente diferentes, mas já deu para ver que os tempos de volta serão muito próximos", disse Lucas.
 
A Fórmula E terá dez etapas, todas disputadas em circuitos de rua, iniciando neste fim de semana e com seu término programado para junho de 2015. Uma das curiosidades da categoria se dá nos pit stops: em vez de trocar a bateria, ou recarrega-la, o piloto troca de carro durante a prova.
 
No Brasil o canal por assinatura Fox Sports transmite todas as provas, e a etapa inaugural terá o treino classificatório e a corrida transmitidos ao vivo pelo canal, à uma hora e às 4h30 da madrugada de sexta (12) para sábado (13), respectivamente. Todas as atividades das etapas ficam concentradas em apenas um dia para diminuir o impacto nas cidades.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Land Rover lidera emplacamentos de SUVs grandes de luxo em 2020

No segmento de SUVs grande de luxo, a marca representa 36% da participação de mercado, de …