Conforme o previsto, o desempenho global de vendas da marca no mês de março ainda reflete os efeitos da interrupção da produção na fábrica de automóveis durante 8 semanas – entre dezembro de 2012 e fev ereiro deste ano. Destaque para o Novo Clio, cujo volume de vendas mais que dobrou em relação a março de 2012, e também para o Novo Master, com emplacamentos 23,2% superiores na mesma comparação.
 
Com 14.187 emplacamentos e uma participação de mercado de 5,3% contra uma participação de 6,9% em março de 2012, a queda nos volumes acompanhou o baixo estoque de Duster, Sandero e Logan nas concessionárias.
 
“O desempenho da Renault em março foi conforme prevíamos e reflete ainda a redução dos estoques provocada pela parada de produção, para ampliação da capacidade produtiva. Retomamos a produção em fevereiro e o ritmo vem crescendo dentro do cronograma previsto, mas ainda não alcançamos a normalidade”, ressalta Olivier Murguet, Presidente da Renault do Brasil.
 
Nos resultados do mês, os emplacamentos do Novo Clio saltaram significativamente (113,6%) de 1.140 unidades em março de 2012, para 2.435 neste ano.  No caso do Novo Master, o volume aumentou de 561 para 691 veículos no período, ótimo resultado uma vez que o novo modelo chegou ao mercado na segunda quinzena de março. O modelo Fluence também registrou crescimento mensal de 16%, alcançando 1.193 unidades.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Volkswagen é a marca com maior crescimento em 2018

O volume de vendas aumentou 35% em relação a 2017, mais que o dobro do mercado, que cresce…