Amortecedor, mola, bandeja, buchas, barra estabilizadora, pivô e coxim devem ser avaliados, periodicamente, para que não ocorra desgaste prematuro de peças.

O sistema de suspensão, composto por diversas peças, entre elas, amortecedor, mola, bandeja, buchas, pivô e coxim, tem função fundamental no desempenho do veículo já que liga o chassi às rodas e garante que se mantenham em contato com o solo, absorvendo não só os impactos sofridos pela roda, mas assegurando conforto aos ocupantes do veículo e dirigibilidade. Por isso, a recomendação da Nakata é que, periodicamente, o motorista faça uma inspeção preventiva no sistema de suspensão. “É importante avaliar as condições de todo o conjunto de peças da suspensão, bem como verificar o alinhamento do veículo, periodicamente, para não sobrecarregar o sistema e ocasionar desgaste prematuro nos componentes”, comenta Jair Silva, gerente de qualidade e serviços da Nakata.

O desgaste dos componentes da suspensão depende do tipo de uso do veículo. “Transportar excesso de peso, rodar em estradas ruins, velocidade incompatível com o tipo de solo, frear bruscamente e realizar arrancadas pode provocar maior comprometimento nas peças”, adverte.

Na hora da manutenção, deve ser checado se há vazamento de óleo nos amortecedores, trinca ou danos nas molas, desgaste nas buchas de borracha e no coxim e folgas no pivô ou bieletas.

Silva recomenda, após 40 mil km rodados, levar o veículo a um mecânico de confiança e avaliar o estado do sistema de suspensão a cada 10 mil km rodados para efetuar a troca preventiva de componentes, caso seja necessário, e, assim, não correr o risco de desgastar outros itens. “A manutenção preventiva é fundamental para garantir a vida útil das peças”, conclui.

Artigos Relacionados
Leia mais em Dicas e Serviços

Deixe uma resposta

Veja também

Equipe Mercedes-EQ de Fórmula E começa sua segunda temporada no próximo fim de semana

Neste final de semana a Equipe Mercedes-EQ inicia a sua segunda temporada na categoria Em …