Nova tecnologia permite a fabricação de maior variedade de peças de reposição

A Nissan desenvolveu uma nova forma de utilizar os robôs ensinando-os a produzir peças automotivas a partir de chapas de metal. A tecnologia permite que os clientes tenham acesso a mais opções de peças de reposição, inclusive para modelos que a Nissan não fabrica mais.

A Nissan pretende comercializar a técnica patenteada, conhecida como dual-sided dieless forming ou estampagem bilateral incremental sem matriz, em português. A tecnologia envolve a operação de dois robôs sincronizados trabalhando em lados opostos de uma chapa de metal, utilizando ferramentas revestidas com diamante para dar forma ao material de maneira gradual.

Graças à flexibilidade do processo de produção, que permite reduzir tanto os custos como o prazo de entrega, a nova técnica pode tornar comercialmente viável a produção e venda de uma ampla variedade de peças de reposição de modelos que a Nissan não fabrica mais. Anteriormente isso não era possível, devido ao alto investimento inicial e aos longos prazos necessários para desenvolver e produzir as matrizes de estampagem para as peças.

Até agora, a o processo dual-sided dieless forming era considerado muito difícil de comercializar. Isso se deve à complexidade na programação para que dois robôs operem de forma sincronizada garantindo um padrão de qualidade. As técnicas existentes se baseavam principalmente na conformação em um único lado, o que limita a complexidade das formas que podem ser criadas. Ao posicionar os robôs e ferramentas em lados opostos de uma chapa de metal, eles podem criar formas mais complexas e detalhadas.

A nova técnica tornou-se possível graças aos conhecimentos em engenharia de produção do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Engenharia de Produção da Nissan, e aos avanços na tecnologia de materiais da Divisão de Pesquisa da Nissan. A inovação representa três grandes descobertas:

• O desenvolvimento de programas avançados, capazes de controlar ambos os robôs com um alto nível de precisão dimensional, permitindo a criação de formas côncavas e convexas ricas em detalhes.
• A aplicação do revestimento de diamante a ferramentas multifacetadas, o que permite tanto reduzir o atrito como eliminar a necessidade de lubrificação, trazendo inúmeros benefícios, que incluem a consistência na qualidade da superfície e uma operação de baixo custo, que não prejudica o meio ambiente.
• A otimização dos processos de planejamento da trajetória a ser seguida pelos robôs, graças à extensa expertise e às técnicas de simulação de conformação por prensagem amplamente utilizadas pelas equipes de engenharia de produção da Nissan. Isso permitiu que a Nissan obtivesse resultados de alta qualidade já no início do processo de desenvolvimento.

A Nissan pretende continuar a promover avanços na produção em série, utilizando a pesquisa e desenvolvimento para refinar suas técnicas de produção de baixo volume.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

FCA inicia produção de máscaras cirúrgicas na fábrica de Betim

Instalada em tempo recorde, linha produz 1,5 milhão de unidades por mês; Parte da produção…