Fundamental para garantir a segurança dos ocupantes do veículo, o sistema de freios merece atenção especial na hora da reparação. Uma falha pode ocasionar graves acidentes. “Muitos motoristas reclamam que o sistema de frenagem perde eficiência logo após a substituição de pastilhas, discos, lonas e tambores. Por isso, é muito importante que o reparador oriente o cliente a utilizar o sistema de freio com moderação por pelo menos 500 km”, alerta Jair Silva, gerente de qualidade e serviços da Nakata. Ele explica que a falta de eficácia logo após a troca dos componentes é motivada pela fase de assentamento entre o material de atrito discos e tambores.
Outro fator que pode trazer ineficiência à frenagem é a aplicação de pastilhas novas em discos de freios já desgastados. Segundo Silva, os sulcos dos discos dificultam o assentamento das peças. “É essencial não só trocar discos e pastilhas, mas fazer um check-up completo no sistema, verificando freio traseiro e também a parte hidráulica”, enfatiza.
Desgastar os cantos da  pastilha nova, prática que, às vezes, se observa no mercado, para facilitar o assentamento no usado disco também não é recomendável, pois diminui a área de atrito da pastilha com o disco, reduzindo, assim, a eficiência.
Ele explica que a redução da eficiência provoca, muitas vezes, superaquecimento do sistema de freio, danificando não só o disco que acaba ficando azulado, mas também as pastilhas que ficam com a face queimada.
Para evitar problemas, a recomendação é fazer o diagnóstico completo do sistema de freio, substituindo as peças necessárias.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados
Fundamental para garantir a segurança dos ocupantes do veículo, o sistema de freios merece atenção especial na hora da reparação. Uma falha pode ocasionar graves acidentes. “Muitos motoristas reclamam que o sistema de frenagem perde eficiência logo após a substituição de pastilhas, discos, lonas e tambores. Por isso, é muito importante que o reparador oriente o cliente a utilizar o sistema de freio com moderação por pelo menos 500 km”, alerta Jair Silva, gerente de qualidade e serviços da Nakata. Ele explica que a falta de eficácia logo após a troca dos componentes é motivada pela fase de assentamento entre o material de atrito discos e tambores.
Outro fator que pode trazer ineficiência à frenagem é a aplicação de pastilhas novas em discos de freios já desgastados. Segundo Silva, os sulcos dos discos dificultam o assentamento das peças. “É essencial não só trocar discos e pastilhas, mas fazer um check-up completo no sistema, verificando freio traseiro e também a parte hidráulica”, enfatiza.
Desgastar os cantos da pastilha nova, prática que, às vezes, se observa no mercado, para facilitar o assentamento no usado disco também não é recomendável, pois diminui a área de atrito da pastilha com o disco, reduzindo, assim, a eficiência.
Ele explica que a redução da eficiência provoca, muitas vezes, superaquecimento do sistema de freio, danificando não só o disco que acaba ficando azulado, mas também as pastilhas que ficam com a face queimada.
Para evitar problemas, a recomendação é fazer o diagnóstico completo do sistema de freio, substituindo as peças necessárias.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Onix vira nome global da Chevrolet

Objetivo é projetar em âmbito mundial expressão de sucesso alcançada regionalmente. O suce…