Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Novo estudo da CNT revela que sinalização péssima em pavimentos com ótima qualidade gera 18,9 mortes a cada 100 acidentes.

Pavimento em boas condições e sinalização com problemas são uma mistura fatal nas rodovias federais brasileiras. De acordo com o estudo “Acidentes Rodoviários e a Infraestrutura”, divulgado nessa segunda-feira (4) pela CNT (Confederação Nacional do Transporte), a gravidade dos acidentes aumenta significativamente se as condições da sinalização da via são piores. O novo estudo da Confederação relaciona as características da infraestrutura viária apresentadas na Pesquisa CNT de Rodovias 2017 (estado geral, sinalização, pavimento e geometria da via) com a base de dados da PRF (Polícia Rodoviária Federal), considerando todos os acidentes com vítima registrados em rodovias federais no ano passado.

O trabalho da Confederação aponta que o índice de óbitos a cada 100 acidentes é maior quando o pavimento tem melhores condições: são 11,2 registros em trechos com pavimento classificado ótimo, contra 7,7 mortes em trechos com classificação péssimo.

Ainda segundo o estudo, em vias com boa pavimentação os veículos atingem uma maior velocidade e consequentemente há um maior risco de envolvimento em acidentes. Porém, este risco, de se envolver em um acidente, poderia ser reduzindo desde que as considerações de sinalização estivessem adequadas e houvesse maior fiscalização nestes pontos.

Quando as informações sobre a sinalização são incluídas no cruzamento de dados, o resultado chama mais a atenção: nos trechos em que o pavimento foi considerado ótimo, mas a sinalização foi classificada como péssima, foram registradas 18,9 mortes a cada 100 acidentes. O número é 2,2 vezes maior do que o índice observado quando pavimento e sinalização tiveram classificação ótimo, que é de 8,4 mortes a cada 100 acidentes.

“Os dados indicam que o índice de mortes é maior em rodovias cujo pavimento está bem classificado, porque os motoristas acabam alcançando maior velocidade. Além disso, as rodovias não são bem fiscalizadas e sinalizadas, o que também contribui para o aumento do número de óbitos. Em contrapartida, a frequência de acidentes é maior em rodovias cuja infraestrutura apresenta problemas, devido a características como ausência de sinalização, falta de controladores de velocidade, más condições do pavimento e ausência de acostamento”, afirma o diretor-executivo da CNT, Bruno Batista.

Ainda segundo o trabalho da CNT, nos trechos com controladores de velocidade, foi registrado o índice de 9,2 mortes a cada 100 acidentes em pavimento ótimo, enquanto nos trechos sem presença de controladores, o índice foi de 12,6 (37% maior). As más condições da faixa central das pistas também exercem influência direta na gravidade dos acidentes. O índice observado em trechos com pavimento classificado como ótimo, onde a pintura da faixa central era visível, foi de 11,3 mortes por 100 acidentes, enquanto nos trechos com inexistência de pintura de faixa, o índice foi de 15,9 (40,7% maior).

Outro dado do estudo é que a gravidade dos acidentes onde o acostamento das rodovias está destruído, não podendo ser utilizado em uma situação de emergência, (16,3 óbitos a cada 100 acidentes) é 45,5% maior quando comparada aos locais onde ele se encontra perfeito (11,2). A Confederação traz, ainda, a informação de que trechos com a superfície do pavimento destruída possuem índices muito baixos de acidentes e de mortes, o que pode ser explicado pela dificuldade de circulação e de desenvolvimento da velocidade.

Fonte: Agência CNT de Notícias

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias

Veja também

Semjuv lança programa que concede CNH gratuitamente para jovens teresinenses

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.A Secretaria Municipal da Juventu…