O público brasileiro terá uma rara oportunidade de ver ao vivo, e muito de perto, os dois carros mais avançados da Porsche na atualidade. Entre as atrações da marca alemã no Salão Internacional do Automóvel de São Paulo, estarão os modelos 919 Hybrid de corrida e o superesportivo 918 Spyder, um bólido de propulsão híbrida capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 2,6 segundos. “Esses dois modelos demonstram toda a capacidade tecnológica da Porsche para criar modelos capazes de aliar alto desempenho, máxima eficiência energética e baixos índices de emissões”, explica Marcel Visconde, presidente da Stuttgart Sportcar, importadora oficial da Porsche no Brasil.
 
Toda a tecnologia do 918 Spyder é resultado da experiência e pesquisa da Porsche em corridas de automóvel. Trata-se de um modelo de dois lugares com carroceria aberta (tipo targa) e chassi totalmente construído em fibra de carbono. A tração é provida por um motor V8 de 4,6 litros com 608 cv de potência e dois motores elétricos (um dianteiro e um traseiro) capazes de entregar 286 cv. Trabalhando em conjunto, eles podem desenvolver até 887 cv de potência e levar o carro a até 345 km/h. Não por acaso, o 918 Spyder foi o primeiro carro de rua homologado em nível mundial a percorrer os mais de 20 km do traçado norte do circuito de Nürburgring, na Alemanha, em menos de sete minutos.
 
\"\"
 
Mesmo com tanto desempenho, o consumo pode ser incrivelmente baixo: de 32 a 33 km/l. Outro dado: no modo puramente elétrico, o 918 Spyder tem autonomia entre 16 e 31 km (dependendo das condições de tráfego e do modo com que é dirigido) e pode chegar a 150 km/h. Isso o torna perfeitamente utilizável em percursos urbanos, com mínimo gasto de energia, praticamente sem emissões e com baixíssima produção de ruído. Um comutador giratório localizado no volante permite escolher entre cinco modos de propulsão: E-Power (tração puramente elétrica), Hybrid (motores elétricos auxiliados pelo motor a combustão quando mais desempenho é requerido), Sport Hybrid (motor a combustão em funcionamento permanente, para uma dirigibilidade mais esportiva), Race Hybrid (motor a combustão em funcionamento permanente e motores elétricos programados para entregar potência máxima) e Hot Lap (para máximo desempenho; para esta configuração, deve-se pressionar o botão vermelho existente no centro do comutador giratório, que deverá estar no modo Race Hybrid). 
 
Além das virtudes de desempenho, o 918 Spyder atende aos quesitos da Porsche em termos de conforto e acabamento: o interior tem materiais como couro e fibra de carbono. Opcionalmente, pode-se optar pelo pacote Weissach, que torna o carro 41 kg mais leve graças à supressão de equipamentos ou ao uso de componentes de menor peso. É este o caso da unidade que estará exposta no Salão. Por fim, mais um fator que torna imperdível a oportunidade de ver o 918 Spyder de perto: o modelo tem produção programada de apenas 918 unidades. Até o momento, somente três vieram para o Brasil.
 
\"\" 
 
O 919 Hybrid, por sua vez, disputa a categoria principal (LMP1) do Campeonato Mundial de Endurance (WEC). É o mais complexo carro de competição já concebido pela Porsche. A marca alemã é a maior vencedora da 24 Horas de Le Mans e voltou neste ano à categoria LMP1, a mais rápida da tradicional corrida francesa, cujo regulamento serve de base para o do Campeonato Mundial de Endurance. As regras concedem liberdade de configuração mecânica para os carros, mas obrigam os fabricantes a combinar velocidade com eficiência energética. No caso da Porsche, a escolha foi por um protótipo híbrido com motor a combustão com 2 litros, 4 cilindros e turbocompressor. Este motor, capaz de gerar cerca de 500 cv de potência, envia tração ao eixo traseiro. Ao mesmo tempo, um sistema recupera energia do fluxo dos gases de escape e outro resgata a energia gerada durante a frenagem no eixo dianteiro. A energia resgatada por estes dois sistemas é armazenada em uma bateria e pode ser recuperada pelo piloto, que passa assim a contar com uma potência adicional de centenas de cv enviadas para o eixo dianteiro. Dessa forma, a tração passa a estar presente nas quatro rodas. Trata-se de um sistema único na categoria LMP1 – e de uma verdadeira plataforma de pesquisa da Porsche para eventual uso em carros de rua no futuro.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

 

 
O público brasileiro terá uma rara oportunidade de ver ao vivo, e muito de perto, os dois carros mais avançados da Porsche na atualidade. Entre as atrações da marca alemã no Salão Internacional do Automóvel de São Paulo, estarão os modelos 919 Hybrid de corrida e o superesportivo 918 Spyder, um bólido de propulsão híbrida capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 2,6 segundos. “Esses dois modelos demonstram toda a capacidade tecnológica da Porsche para criar modelos capazes de aliar alto desempenho, máxima eficiência energética e baixos índices de emissões”, explica Marcel Visconde, presidente da Stuttgart Sportcar, importadora oficial da Porsche no Brasil.
 
Toda a tecnologia do 918 Spyder é resultado da experiência e pesquisa da Porsche em corridas de automóvel. Trata-se de um modelo de dois lugares com carroceria aberta (tipo targa) e chassi totalmente construído em fibra de carbono. A tração é provida por um motor V8 de 4,6 litros com 608 cv de potência e dois motores elétricos (um dianteiro e um traseiro) capazes de entregar 286 cv. Trabalhando em conjunto, eles podem desenvolver até 887 cv de potência e levar o carro a até 345 km/h. Não por acaso, o 918 Spyder foi o primeiro carro de rua homologado em nível mundial a percorrer os mais de 20 km do traçado norte do circuito de Nürburgring, na Alemanha, em menos de sete minutos.
 
\"\"
 
Mesmo com tanto desempenho, o consumo pode ser incrivelmente baixo: de 32 a 33 km/l. Outro dado: no modo puramente elétrico, o 918 Spyder tem autonomia entre 16 e 31 km (dependendo das condições de tráfego e do modo com que é dirigido) e pode chegar a 150 km/h. Isso o torna perfeitamente utilizável em percursos urbanos, com mínimo gasto de energia, praticamente sem emissões e com baixíssima produção de ruído. Um comutador giratório localizado no volante permite escolher entre cinco modos de propulsão: E-Power (tração puramente elétrica), Hybrid (motores elétricos auxiliados pelo motor a combustão quando mais desempenho é requerido), Sport Hybrid (motor a combustão em funcionamento permanente, para uma dirigibilidade mais esportiva), Race Hybrid (motor a combustão em funcionamento permanente e motores elétricos programados para entregar potência máxima) e Hot Lap (para máximo desempenho; para esta configuração, deve-se pressionar o botão vermelho existente no centro do comutador giratório, que deverá estar no modo Race Hybrid). 
 
Além das virtudes de desempenho, o 918 Spyder atende aos quesitos da Porsche em termos de conforto e acabamento: o interior tem materiais como couro e fibra de carbono. Opcionalmente, pode-se optar pelo pacote Weissach, que torna o carro 41 kg mais leve graças à supressão de equipamentos ou ao uso de componentes de menor peso. É este o caso da unidade que estará exposta no Salão. Por fim, mais um fator que torna imperdível a oportunidade de ver o 918 Spyder de perto: o modelo tem produção programada de apenas 918 unidades. Até o momento, somente três vieram para o Brasil.
 
\"\" 
 
O 919 Hybrid, por sua vez, disputa a categoria principal (LMP1) do Campeonato Mundial de Endurance (WEC). É o mais complexo carro de competição já concebido pela Porsche. A marca alemã é a maior vencedora da 24 Horas de Le Mans e voltou neste ano à categoria LMP1, a mais rápida da tradicional corrida francesa, cujo regulamento serve de base para o do Campeonato Mundial de Endurance. As regras concedem liberdade de configuração mecânica para os carros, mas obrigam os fabricantes a combinar velocidade com eficiência energética. No caso da Porsche, a escolha foi por um protótipo híbrido com motor a combustão com 2 litros, 4 cilindros e turbocompressor. Este motor, capaz de gerar cerca de 500 cv de potência, envia tração ao eixo traseiro. Ao mesmo tempo, um sistema recupera energia do fluxo dos gases de escape e outro resgata a energia gerada durante a frenagem no eixo dianteiro. A energia resgatada por estes dois sistemas é armazenada em uma bateria e pode ser recuperada pelo piloto, que passa assim a contar com uma potência adicional de centenas de cv enviadas para o eixo dianteiro. Dessa forma, a tração passa a estar presente nas quatro rodas. Trata-se de um sistema único na categoria LMP1 – e de uma verdadeira plataforma de pesquisa da Porsche para eventual uso em carros de rua no futuro.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Fórmula E: Di Grassi: “Somente com inovação e tecnologia alcançaremos um futuro com zero carbono”

Lucas Di Grassi, piloto da ABB FIA Fórmula E, tem um grande compromisso com o futuro do pl…