\"\"Com anúncio da nova alta no preço do óleo diesel nas refinarias, a estimativa é que as tarifas do transporte urbano no Brasil sofram um aumento de cerca de 10% nos próximos meses, quando ocorrem os ajustes anuais. Esse percentual, segundo o presidente da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), Otávio Vieira da Cunha Filho, leva em consideração a defasagem média no último ano, considerando os aumentos salariais, as perdas da inflação e o impacto do óleo diesel. 
 
A alta de 5,4% no preço do combustível, em vigor desde a última semana, é a quarta alteração seguida anunciada pela Petrobras. Em 2012, foram duas – junho e julho – e este ano também: em janeiro e março. “A verdade é que esses aumentos uns sobre os outros vão dar em torno de 12%. Considerando que o combustível hoje representa entre 22 e 25% do custo do transporte urbano, nós estaremos aí com um aumento médio de 3% para repassar ao consumidor”, relata.
 
Otávio critica ainda a falta de preocupação do governo com a mobilidade urbana, uma vez que sobe o preço do diesel e mantém estagnada a gasolina. “Não existe sensibilidade do governo de que, ao fazer isso [aumento do diesel], ele está na contramão, estimulando o transporte individual em detrimento do transporte coletivo. E assusta mais ainda saber que esse aumento ainda não atende as contas da Petrobras, que estaria dizendo que o diesel está defasado em 19%. Então, nós podemos esperar ainda mais 7% de aumento, o que é absolutamente insustentável”, aponta.
 
Inflação
 
Como o preço das tarifas influencia na inflação oficial (IPCA), antes mesmo de alterar o valor do combustível, o governo federal pediu aos prefeitos de São Paulo e Rio de Janeiro que adiassem os reajustes das passagens. O temor era de que o índice chegasse a 1% em janeiro. 
 
“O governo está impondo uma obrigação, mais um sacrifício à classe empresarial, por absoluta insensibilidade do que representa o transporte público para as pessoas e para a mobilidade urbana no país. Vemos isso com muita apreensão. O setor de transporte perdeu produtividade nos últimos 15 anos. Cada dia você tem custos mais elevados com produtividade mais baixa”, alerta.
 
Para que o congelamento fosse possível, as prefeituras estão repassando subsídios para as operadoras do serviço. O orçamento da prefeitura de São Paulo prevê R$ 660 milhões de subsídios em 2013, mas já há previsão de mais R$ 150 milhões além do valor orçado. 
 
“O transporte público tem uma receita bruta anual de R$ 30 bilhões; o diesel pode chegar a 25% desse custo, então estamos falando em R$ 7,5 bilhões de gastos com combustível. Nisso, você soma o impacto de 3%. Imagina o que os municípios teriam que subsidiar apenas falando no combustível. Se a gente for acrescentar os reajustes de pessoal, a coisa vai ficar muito séria”, finaliza.
 
Como solução, o empresário defende que o transporte público não dependa apenas da tarifa aplicada ao serviço. “A sociedade, todos aqueles que usam o transporte, e aqueles que não usam, deveriam colaborar. No momento que isso acontecer, que você tirar a pressão do aumento da tarifa via subsídio, podemos pensar em ter um transporte público com mais qualidade, porque transporte bom custa caro. O Brasil é o único lugar do mundo em que apenas a tarifa cobre o custo do serviço”, defende.
 
Fonte: Agência CNT de Notícias
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Toyota oferece Yaris com motorização mais potente em versão XL Plus Tech

Versão seguirá com mesmo preço sugerido, reforçando o compromisso da Toyota de oferecer a …