Home Notícias Fórmula SAE BRASIL 2019 reúne 70 equipes inscritas, nove da região Nordeste

Fórmula SAE BRASIL 2019 reúne 70 equipes inscritas, nove da região Nordeste

Comentários desativados em Fórmula SAE BRASIL 2019 reúne 70 equipes inscritas, nove da região Nordeste

Competição será realizada de 28 de novembro a 1º de dezembro, em Piracicaba (SP), com participação de estudantes de engenharia das cinco regiões brasileiras

Estudantes de engenharia de cinco Estados da região Nordeste – Bahia, Paraíba, Pernambuco, Maranhão e Sergipe – projetaram e construíram carros de alto desempenho para concorrer ao pódio da Competição Fórmula SAE BRASIL, de 28 de novembro a 1º de dezembro, no Esporte Clube Piracicabano de Automobilismo, Piracicaba, Interior paulista.

O Nordeste será representado na competição 2019 por nove equipes de oito universidades, inscritas nas categorias Combustão e Elétrica. Em 2018 foram 6 as equipes nordestinas inscritas, dos estados da Bahia, Maranhão e Paraíba.

De âmbito nacional, a Competição Fórmula SAE BRASIL reunirá ao todo 70 equipes, com 48 carros movidos a combustão e 22 elétricos. Os carros são projetados e construídos pelos próprios estudantes universitários, orientados por professores de suas respectivas instituições de ensino.

As equipes que obtiverem as melhores pontuações na etapa brasileira representarão o Brasil na competição mundial promovida pela SAE International, nos Estados Unidos em 2020.

Destaques – Paraíba– A equipe Fórmula UFPB, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), é veterana na competição e participa consecutivamente desde 2010 na categoria Combustão. O foco do projeto este ano está na confiabilidade e baixo custo de construção, com aplicação de novos componentes, substituição de materiais e processos de fabricação na própria universidade. De acordo com Radne Rathge Amorim, 21 anos, estudante do 7º período do curso de Engenharia Mecânica e líder da equipe, a principal inovação é o sistema eletrônico de troca de marchas. “Nossa aposta foi otimizar o desempenho por meio do design, com adição de sidepods para facilitar a aerodinâmica, e de trocas de marchas mais efetivas nas provas dinâmicas, principalmente o enduro”, aponta. A UFPB inscreveu também uma equipe na Categoria Elétrica.

A equipe Scuderia UFCG, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), também inscrita na Categoria Combustão, investiu nos quesitos durabilidade, peso, segurança, e baixo custo de construção. “Procuramos alcançar esses objetivos em cada etapa do projeto, com responsabilidades divididas na equipe para cada subsistema”, explica Wendell Lima Araújo, 23 anos, capitão da equipe e estudante do 9º período do curso de Engenharia Mecânica. Segundo Wendell, a principal inovação é o uso de PETG (polímero que oferece liberdade de projeto e fabricação) na confecção do sistema de admissão do carro, com o que se espera alto desempenho e melhor aproveitamento da potência do motor.

Bahia – A equipe Kamikaze Racing Team UFBA, da Universidade Federal da Bahia (UFB), privilegiou a robustez, confiabilidade e baixo custo de manufatura no projeto. “Aperfeiçoamos o carro anterior na redução de peso e aquisição eletrônica de dados para torná-lo mais robusto”, diz o capitão Filipe Gomes Lima, 22 anos, aluno 8º semestre de Engenharia Mecânica. Entre os pontos fortes do carro destaca a sensibilidade ajustável à direção, entre under e oversteering, que facilita a manobrabilidade e a estabilidade, além da redução na transmissão que garante torque suficiente para retomadas rápidas.


Maranhão – A equipe Vórtex Racing da Universidade Estadual do Maranhão, única inscrita do Estado, participa pela primeira vez com carro na competição nacional. “Fazer parte desse projeto é importante para a formação profissional e desenvolvimento da prática e gestão”, diz o capitão Ronny Sousa Silva, 22 anos, 8º período do curso Engenharia Mecânica. Boa dirigibilidade e alta capacidade na realização de manobras são os destaques do projeto, desenvolvido integralmente pela equipe na própria universidade.

Carros – Os carros Fórmula SAE a combustão têm motores de quatro tempos e capacidade volumétrica máxima de 710 cm³. Já os elétricos são tracionados por motores elétricos, alimentados a partir de baterias de até 600 volts, com autonomia de pelo menos 22 km. Na competição, a recarga das baterias é realizada em carga lenta, em área com alto nível de segurança.

História – Os carros Fórmula SAE surgiram nos Estados Unidos, em 1981. As competições de veículos a combustão são realizadas em diversos países, além de Brasil e Estados Unidos, como Alemanha, Austrália, Áustria, Espanha, Hungria, Inglaterra, Itália e Japão. O Brasil ingressou no circuito em 2004, com o objetivo de fomentar nos estudantes de graduação e pós-graduação de engenharia a especialização técnica em veículos de alto desempenho, de acordo com as regras definidas pela SAE International. O Brasil integrou o grupo Top Ten duas vezes, na disputada competição da categoria nos Estados Unidos. Já as competições de veículos elétricos são realizadas na Alemanha, Austrália, Inglaterra e Itália, além de Brasil e Estados Unidos. O Brasil ingressou no circuito em 2012, com o objetivo de ampliar o conhecimento técnico na área de motores 100% elétricos das novas gerações de engenheiros, responsáveis pelas tendências da engenharia. Na categoria, o Brasil é bicampeão nos Estados Unidos.

“Os programas estudantis da SAE BRASIL motivam os jovens à carreira de engenharia e lançam desafios encontrados na prática profissional que levam muito além do conhecimento acadêmico adquirido na sala de aula”, analisa o engenheiro Mauro Correia, presidente da SAE BRASIL.

Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Renault do Brasil adere ao Movimento Mulher 360

Movimento tem como objetivo contribuir para o empoderamento econômico da mulher brasileira…