A Audi encerrou o primeiro trimestre de 2016 com resultados consistentes, apesar do cenário desafiador. Nos primeiros três meses do ano, a companhia reportou uma receita de €14,511 milhões, com lucro operacional de €1,202 milhões, que inclui despesas com itens extraordinários, que somam valor de €100 milhões. A margem de lucro operacional foi de 8,3%, mantendo-se dentro da meta estratégica de 8 a 10%, apesar dos itens extraordinários.
 
De janeiro a março, a montadora entregou 455.754 carros para seus clientes, o que representa um aumento de 4% na comparação com o mesmo período do ano passado (1T 2015: 438.171 unidades). Já a receita de €14,511 milhões, foi 1% menor devido, principalmente, aos efeitos das taxas de câmbio e a forte concorrência em alguns mercados.
 
O lucro operacional de €1.202 milhão também foi menor na comparação com 2015 (1T 2015: €1.422 milhão), impactado por despesas com itens extraordinários relacionados aos potenciais defeitos apresentados pelos airbags Takata. A Audi está cooperando com o US National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA) para esclarecer o caso, o qual poderá necessitar recall de carros adicionais nos Estados Unidos. A companhia destinou €100 milhões para esta eventualidade. Excluindo itens extraordinários, a AUDI AG alcançou um lucro operacional de €1,302 milhões (1T 2015: €1,422 milhões) e uma margem de lucro operacional de 9% (1T 2015: 9,7%).
 
“Apesar de movimentos de efeitos cambiais e itens extraordinários, o lucro operacional também reflete as altas despesas antecipadas”, informa Axel Strotbek, membro do board para Gestão Financeira e TI da AUDI AG. “Além disso, a nossa margem de lucro operacional está dentro da nossa meta estratégica, de oito a 10%”, completa. Neste ano, a Audi está estabelecendo seu futuro em diversas áreas por meio de importantes investimentos. Com o Q2, por exemplo, a marca lançou um modelo completamente novo, além de levar a mercados estratégicos carros de sucesso como o Q7 e o A4. A companhia também está iniciando as operações de sua planta no México. O Grupo prevê despesas de mais de €3 bilhões neste ano.
 
Já o lucro antes de impostos, no primeiro trimestre foi de €959 milhões (1T: €1,497 milhão) e a margem de vendas antes de impostos foi de 6,6% (1T: 10,2%). As diferenças na comparação com o ano passado se devem, principalmente, aos efeitos das transações cambiais.
 
Os objetivos da empresa para o ano se mantêm. Para 2016, a expectativa é de que as entregas de veículos tenham um pequeno aumento. Dependendo das condições econômicas e das oscilações cambiais, a empresa espera obter crescimento moderado em sua receita.
 
A Audi também prevê a continuação de intensa competição em alguns mercados-chave. Outro fator é a mudança tecnológica na indústria automotiva para conceitos alternativos de transporte e o aumento da digitalização. No entanto, a Audi, mais uma vez, manterá sua meta estratégica de margem operacional de lucro entre 8 e 10%.
 
“Nós garantimos o alcance de nossos objetivos de rentabilidade por meio de uma gestão consistente de custos, o que nos dá bases para continuar investindo e inovando”, ressalta Strotbek. Com a nova geração do A8, que será lançada em breve, a Audi coloca pela primeira vez no mercado modelos autônomos (piloted driving). Além disso, em 2018, a marca irá lançar em grande escala seu primeiro modelo totalmente elétrico.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Mercedes-Benz do Brasil é premiada por iniciativas de diversidade

Seguindo estratégia global da Daimler, Companhia valoriza as diferenças e fortalece a cult…