A Comissão de Viação e Transportes da Câmara rejeitou o Projeto de Lei 1019/15, do deputado Adelson Barreto (PTB-SE), que torna obrigatória a instalação de rastreadores em veículos recém-saídos de fábrica, produzidos no Brasil ou importados. O projeto também foi rejeitado na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio e foi arquivado.
 
O parecer do relator, deputado Ronaldo Martins (PRB-CE), foi contrário ao PL 1019/15 e aosapensados (PLs 1020/15 e 1022/15). “A imposição da medida elevará os custos de produção dos veículos, que serão repassados ao consumidor final”, apontou Martins. “Como nem todo proprietário de veículo terá a intenção de ativar o sistema de monitoramento e rastreamento, esses consumidores estarão, mesmo assim, pagando por um dispositivo ocioso”, completou.
 
O parlamentar salientou a rapidez com que se desenvolve a tecnologia envolvida nos dispositivos rastreadores: “Em menos de um ano, intervalo de tempo em que a indústria automotiva renova os modelos dos veículos, surgem três ou quatro novas versões de rastreadores veiculares. Desse modo, corre-se o grande risco de o veículo já sair de fábrica com equipamento ultrapassado.”
 
Fonte: Agência Câmara Notícias
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Ônibus VW moderniza frota argentina de transporte público

Como motorização MAN D08, esses dois Volksbus têm sistema EGR de tratamento de emissões, d…