É verão e a mistura de sol e calor anima o motorista a abaixar a capota de seu conversível e sair por aí sentindo o vento no rosto. Mas até mesmo essa prática charmosa traz riscos à saúde. Pesquisa realizada pelo Worcestershire Royal Hospital, do Reino Unido, alerta que andar de carro conversível pode ser uma ameaça aos ouvidos. A exposição prolongada ao barulho do motor do carro e ao barulho do vento, mas também a ruídos extremos como o som do rádio do carro e ao passar ao lado de ônibus, motos e caminhões, aumentam os decibéis e elevam muito o risco de perda auditiva.  
Os resultados, baseados nos níveis de barulho do lado direito e do lado esquerdo do motorista, enquanto dirige com a capota aberta e em diferentes velocidades, mostraram que, em uma velocidade entre 80 e 112 km/h, o ruído atingiu mais de 90 decibéis – um nível maior do que os 85 decibéis considerados como limite para o risco de perda de audição.
Os pesquisadores repetiram os testes com diversos modelos de conversíveis, na mesma estrada, local e horário – fora do considerado período do rush – e registraram resultados parecidos, com o nível máximo de 99 decibéis. Já com o carro conversível em movimento, mas com a capota fechada, não houve excesso no nível de decibéis.
A fonoaudióloga Isabela Carvalho, da Telex Soluções Auditivas, lembra, no entanto, que existem pessoas mais suscetíveis aos altos ruídos do que outras. “O ideal é consultar um médico otorrinolaringologista e fazer uma audiometria, exame que detecta se já existe perda auditiva, em qual grau, e obter as orientações necessárias para prevenir ou impedir o agravamento do problema”, aconselha.
Para diminuir os níveis de ruído ao andar de carro conversível, os cientistas aconselham os motoristas a levantarem os vidros do carro, mesmo com a capota abaixada. Segundo eles, dessa maneira o barulho é reduzido e diminuem os riscos de problemas de audição. Outra medida bastante eficaz é o uso de protetores auriculares, por parte dos motoristas, enquanto o carro estiver transitando com a capota aberta. Mas se estiverem viajando por longos períodos, a recomendação para esses motoristas é deixar a capota fechada.
A fonoaudióloga Isabela Carvalho conclui com um alerta importante: “a perda auditiva induzida por ruído tem efeito cumulativo. Qualquer dano à audição vai se somando ao longo do tempo. Os efeitos podem não ser logo sentidos e a percepção do dano auditivo pode vir tarde demais. A exposição frequente dos motoristas de carros conversíveis a níveis acima de 85 decibéis, conforme constatou o estudo, pode levar, com o tempo à perda permanente e irreversível da audição”.
O estudo do Worcestershire Royal Hospital foi publicado na revista científica Otolaryngology-Head and Neck Surgery.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Nomeação da Equipe Executiva Sênior para comandar a Stellantis

A Stellantis estabelece uma governança eficiente desde o primeiro dia (“Dia Um”) com a nom…